Turquia, Egito e Tunísia desviam turistas ingleses e alemães de Portugal

Os hotéis nacionais perderam 59 196 mil turistas britânicos desde o início do ano, menos 6,4% do que nos primeiros seis meses de 2017, alemães a procurarem Portugal são menos 1,1% e o número de turistas holandeses baixou 6,8%

Ingleses, alemães e holandeses estão a cortar nas viagens para Portugal. Contas feitas, os hotéis nacionais perderam 59 196 mil turistas britânicos desde o início do ano, menos 6,4% do que nos primeiros seis meses de 2017; alemães a procurarem Portugal são menos 7123 (-1,1%) e o número de turistas holandeses baixou 16 732 (-6,8%) . Os preços muito atrativos da Turquia, Egito e Tunísia, destinos turísticos concorrentes, explicam a queda.

"A desvalorização da libra no pós brexit e a queda da lira turca ajudam a explicar este desvio dos fluxos turísticos", explica Elidérico Viegas, presidente AHETA, a associação que representa a hotelaria algarvia. "E só não estamos a ser mais afetados porque temos ligações aéreas diretas para o Centro e Norte da Europa, que os nossos concorrentes ainda não têm, e porque a nossa dependência dos pacotes do turismo organizado tem vindo a diminuir. Hoje dependemos em 60% ou mais das férias do chamado viajante independente", acrescenta.

Em junho, o número de hóspedes não foi além dos 2,1 milhões, com as dormidas a afundarem 2,9% em termos homólogos, totalizando 5,8 milhões, refletindo o decréscimo de 5,1% de turistas estrangeiros (4,2 milhões de dormidas)

Mas os números são já um sinal de alerta. Em junho, o número de hóspedes não foi além dos 2,1 milhões, com as dormidas a afundarem 2,9% em termos homólogos, totalizando 5,8 milhões, refletindo o decréscimo de 5,1% de turistas estrangeiros (4,2 milhões de dormidas). O mercado britânico, que representa 24,4% do total das dormidas de não residentes, registou um tombo de -9,8%, logo seguido pelo mercado alemão, que caiu 10,5%.

Os turistas nacionais limitaram a quebra, com um aumento de 3,4% nas dormidas. E os turistas norte-americanos (+15,9% no número de dormidas) e canadianos (+14,9%) também deram uma ajuda, mostram os dados do INE. O mercado espanhol aumentou 1,5% e foi, entre os cinco principais mercados emissores, o único que apresentou crescimento em junho. No primeiro semestre, este mercado cresceu 0,4%.

Por regiões, o Norte e o Alentejo registaram acréscimos nas dormidas (+3,1% e +2,4%, respetivamente), curiosamente à boleia do aumento de turistas estrangeiros. Os maiores decréscimos verificaram-se no Centro (-7,9%) e nos Açores (-6,1%).

Apesar do arrefecimento a procura por parte dos turistas estrangeiros, os proveitos totais dos hotéis portugueses aumentaram 7,5%, ascendendo a 376,7 milhões de euros.

Mas Elidérico Viegas deixa um alerta: a tendência de quebra no número de turistas britânicos e alemães, os dois maiores mercados emissores, "é para manter".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.