Tripulantes da Ryanair em Portugal querem continuar com contratos irlandeses - CEO

Licença de maternidade em Portugal é de 21 semanas, enquanto na Irlanda chegam a 41

O presidente executivo da Ryanair garantiu hoje que os trabalhadores da transportadora aérea em Portugal preferem continuar com contratos sob a lei irlandesa, uma vez que ganham mais e têm mais dias de licença maternal.

"Os tripulantes são muito bem pagos. Ganham entre 30 a 40 mil euros por ano, o que é mais do que enfermeiros ou professores em Portugal, e estamos muito agradecidos que poucos tenham apoiado a greve no fim de semana da Páscoa, e foi por isso que a greve teve tão pouco sucesso e cancelámos menos de 10% dos nossos voos", notou à agência Lusa Michael O'Leary.

À margem da IV Conferência Nacional do Turismo Residencial e do Golfe, no Estoril, o responsável garantiu que os trabalhadores iriam perder rendimentos se tivessem contratos no âmbito da lei portuguesa, até porque sob normas irlandesas "pagam menos impostos".

"Nós temos os nossos tripulantes de cabine sob a lei irlandesa, porque voam por uma companhia irlandesa. A licença maternal na Irlanda é de 41 semanas, em Portugal é de 21 semanas", exemplificou o responsável, notando que os trabalhadores podem adotar as normas da Segurança Social portuguesa, mas que nenhum optou por o fazer porque "a irlandesa é melhor".

"Nenhum dos nossos tripulantes quer contratos portugueses, e o que dissemos ao sindicato (Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil - SNPVAC) foi: se querem que sejam refletidos alguns aspetos da lei portuguesa nos contratos irlandeses, venham falar connosco e vamos fazer isso", acrescentou à Lusa.

Convocada pelo SNPVAC, uma greve de três dias não consecutivos dos tripulantes de cabine da companhia de baixo custo decorreu no período da Páscoa para exigir a aplicação da legislação nacional, nomeadamente em termos de gozo da licença de parentalidade, garantia de ordenado mínimo e a retirada de processos disciplinares por motivo de baixas médicas ou vendas a bordo abaixo das metas da empresa.

Sobre a presença da Ryanair em Portugal, o CEO garantiu um novo recorde, ao transportar 11 milhões de pessoas, quando "há 10 anos transportava apenas um milhão de pessoas em Portugal".

A companhia terá ainda 14 novas rotas para a época de inverno em Lisboa, Porto e Faro.

"Portugal precisa de mais visitantes no inverno. Toda a gente sabe que Portugal é maravilhoso durante o verão, mas o que temos que fazer para criar mais empregos é fazer crescer rotas no inverno", afirmou.

O responsável referiu que continuam as quatro bases em Portugal, algo que "nenhuma transportadora portuguesa tem".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.