Tripulantes conhecem hoje resultado dos testes aos novos aviões da TAP

Sindicato que representa os tripulantes denunciou casos de enjoos, mal-estar e vómitos nos novos A330 neo da companhia aérea portuguesa.

A TAP reúne-se nesta quinta-feira com o sindicato dos tripulantes para apresentar os resultados dos medidores de qualidade do ar instalados nos aviões A330 neo comprados à Airbus, revelou Luciana Passo, presidente do SNPVAC, em declarações ao DN/Dinheiro Vivo.

A apresentação destes dados, obtidos através de aerotracers, surge na sequência das ações inspetivas que a TAP e a Airbus têm realizado depois de alguns tripulantes terem manifestado sintomas de mal-estar relacionados com enjoos, vómitos e tonturas, nos novos aviões A330-900 neo. A companhia aérea não avança com pormenores, limitando-se a dizer que "mantém frequentemente reuniões de trabalho com os sindicatos".

"A apresentação dos resultados obtidos por estes medidores servirá para avançar com as chamadas medidas mitigadoras" já discutidas nesta terça-feira em reunião com a administração da TAP, explica Luciana Passo. No entanto, não quis avançar que medidas estariam em cima da mesa, depois de, como o DN/Dinheiro Vivo adiantou na segunda-feira, a Airbus já ter avançado com correções em terra e na descolagem para o cheiro a óleo oriundo do sistema de ar condicionado e do arranque do motor.

A companhia aérea, citada pela Lusa, diz que "dos 20 voos realizados com o aerotracer instalado em apenas dois foram registados episódios pontuais de cheiros" identificados, mas "em níveis residuais", que estão muito abaixo dos valores limite de referência em termos de qualidade do ar da cabina.

A TAP reforça, seja como for, que os aviões em causa são seguros para a saúde de tripulantes, pilotos e passageiros, não havendo ar nocivo dentro da cabina. O mesmo já disse a Airbus, sublinhando ainda que não existe qualquer correlação entre os cheiros e os enjoos reportados pelos tripulantes e pilotos.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.