S&P revê de "estável" para "positiva" perspetiva sobre 'rating' de Portugal

A agência de notação financeira Standard & Poor's (S&P) reviu hoje de "estável" para "positiva" a sua perspetiva sobre o 'rating' (avaliação) de Portugal.

"A S&P reviu o 'outlook' de Portugal de 'estável' para 'positivo'", lê-se no comunicado da agência de rating.

No documento, a agência destacou a resiliência da economia nacional e a melhoria do custo associado à dívida externa.

No entanto, esta agência manteve o 'rating' da dívida portuguesa de longo prazo em "BBB".

Em 15 de março, a S&P tinha subido o 'rating' de Portugal de 'BBB-' para 'BBB', dois níveis acima do grau de investimento especulativo, com perspetiva estável.

Então, a S&P adiantou que podia melhorar a sua avaliação de Portugal se a economia gerasse maiores excedentes e apresentasse um crescimento superior aos principais parceiros.

Mas alertou, igualmente, que podia descer o 'rating' de Portugal "se os recentes progressos na redução da dívida pública em percentagem do PIB [Produto Interno Bruto] estagnarem ou as autoridades reverterem reformas passadas que beneficiaram a flexibilidade do mercado produtivo e do trabalho em Portugal".

Hoje, a agência vem basear a revisão da perspetiva em fatores como a avaliação de que o resultado das eleições legislativas não vai alterar a política orçamental.

"As eleições estão agendadas para o dia 06 de outubro. As recentes sondagens sugerem que os socialistas devem continuar a ser o partido [com mais votos], o que implica continuidade política", referiu.

Desta forma, a agência de notação financeira Standard & Poor's antecipa que "o Governo vai esforçar-se para garantir excedentes primários não interiores a 3% do PIB, garantindo assim uma queda constante do rácio da dívida face ao PIB durante o horizonte compreendido entre 2019 e 2022".

A reação do governo

O Ministério das Finanças defendeu hoje que uma perspetiva "positiva" sobre o 'rating' de Portugal por parte das principais agências traduz "confiança e credibilidade" da política do Governo.

A agência de notação financeira Standard & Poor's (S&P) reviu hoje de "estável" para "positiva" a sua perspetiva sobre o 'rating' (avaliação) de Portugal.

"A partir de hoje Portugal passa a ter uma perspetiva positiva por parte das principais agências de notação financeira, o que traduz a confiança e a credibilidade da política seguida pelo Governo", notou o ministério liderado por Mário Centeno em comunicado.

Segundo o Governo, o destaque dado pela S&P ao reforço da resiliência da economia portuguesa ilustra "uma melhoria da composição, da maturidade e do custo associados à dívida externa".

Por outro lado, esta evolução "traduz o processo de consolidação estrutural das contas públicas e a manutenção de ganhos de competitividade, que se têm refletido numa maior orientação exportadora da economia, na diminuição gradual do endividamento privado e num crescimento económico e do investimento a ritmos superiores ao da área do euro", adianta o comunicado.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.