Não tem a certeza se ganha bem ou mal? Simulador do Eurostat responde-lhe

Aplicação permite comparar o rendimento do agregado familiar com a média nacional. E também conhecer a realidade dos diferentes países da União Europeia

Um agregado familiar com dois adultos e duas crianças (menores de catorze anos), cujo rendimento líquido mensal seja de 2300 euros, já está numa situação que pode ser considerada privilegiada face à realidade nacional: 80% das famílias portuguesas, considerando o referido agregado, levam para casa menos do que esse valor. Já se aplicarmos estes números à realidade alemã, os mesmos dados colocariam esta família no extremo oposto, entre os 20% da população com mais baixo rendimento.

Este é apenas um exemplo dos exercícios que podem ser realizados através da nova ferramenta divulgada pelo Eurostat na sua página de Internet.

O simulador acompanha um relatório deste organismo comunitário no qual se verifica que, entre subidas e descidas, o rendimento real dos agregados familiares da União Europeia cresceu apenas 1% desde o ano 2000. O risco de pobreza tem baixado mas continua elevado em alguns países. A Bulgária (40,4% da população), a Roménia (38,8%) e a Grécia (35,6%) são os países em maior risco. No extremo oposto estão a República Checa (13,3%), a Finlândia (16,6%), a Dinamarca e a Holanda (ambos com 16,7%).

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.