Salários médios sobem no turismo, mas ainda não vão além dos 632 euros

Setor contesta contabilização feita pelo INE que apenas inclui "alojamento, restauração e similares".

Desde 2014 que o turismo em Portugal bate recordes, mas os salários contabilizados pelo gabinete de estatísticas nacional parecem não acompanhar este ritmo de crescimento. No ano passado, o salário médio líquido pago pelas "atividades de alojamento, restauração e similares" não foi além dos 632 euros. São mais 41 euros do que em 2014 quando a atividade voltou a crescer, e apenas mais 45 que em 2011, em pleno ano de entrada da troika em Portugal. Em comparação, no ano passado, o país recebeu quase 21 milhões de turistas, com o setor a valer 7% da economia nacional em 2016, segundo a Conta Satélite de dezembro, com as receitas a atingir 12,6 mil milhões de euros (o dobro do valor de há dez anos). Só no último ano, o Turismo cresceu mais 9% em hóspedes e 19% em receitas.

Pouco qualificado e com forte rotatividade de empregos, o setor não se autopromove como o melhor pagador, mas também não se revê nos números, e aponta falhas ao gabinete de estatísticas. "Se juntarmos à hotelaria e à restauração agências de viagens, companhias aéreas, aeroportos, operadores, campos de golfe, resorts... isto sobe", alerta Francisco Calheiros, presidente da Confederação do Turismo de Portugal (CTP) ao DN/Dinheiro Vivo, que chama a atenção para a subvalorização da indústria turística. "Queremos que as CAE [classificações de atividades económicas] sejam muito mais expressivas, até pelo peso que a confederação representa."

Não é só. O patrão do turismo alerta para uma configuração remuneratória pouco convencional, que as estatísticas não refletem. "Muitos trabalhos têm um ordenado de mil, 1500 euros que equivale 80% a 90% do seu rendimento base. No turismo não é nada disto. O ordenado-base, e é este que conta para as estatísticas, não tem nada que ver com o ordenado total", detalha, adiantando que a grande maioria das empresas que compõem esta indústria apresentam "uma atividade 24 horas por dia, sete dias por semana, 365 dias por ano", o que levou à criação de "subsídios de noite, subsídios de sábado e domingo, de línguas ou de caixa". A estes bónus acrescem ainda, por contratação coletiva, a alimentação que no caso da hotelaria é toda paga pelo empregador, do pequeno-almoço ao jantar. E quem não dá alimentação paga-a. O referencial que estamos a ter de comparativo está errado", diz Calheiros.

A Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) não tem números sobre o andamento dos salários em 2017. Mas um último levantamento de 2016 apontava para "salários médios de 1035 euros, excluindo subsídios, designadamente de alimentação, e prémios sem caráter certo e permanente". Esta remuneração, adiantou a associação, foi paga durante 14 meses. Nesse ano, o INE apontava para vencimentos médios líquidos de 614 euros nas "atividades de alojamento, restauração e similares", a única contabilização que existe. "O turismo, maior setor económico nacional, enquadra diversos subsetores, desde a hotelaria à restauração, e outras formas de alojamento, empresas de animação, organização de congressos, agências de viagens, etc.", reforça a associação, deixando um apelo à afinação da estatística.

"Quando se fala em "salários no alojamento e na restauração" haveria que distinguir um e outro setor, e dentro do alojamento, a hotelaria. Os níveis salariais dos trabalhadores não são os mesmos, nem as suas funções ou formação".

Com a indústria a braços com uma falta de pessoal nunca antes vista - e previsões de que sejam precisos 40 mil trabalhadores em 2018, o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte diz que a falta tem que ver com o emprego oferecido. "O problema são os salários baixos, más condições de trabalho, horários de trabalho, não pagamento de feriados, ritmos de trabalho, trabalho ilegal e clandestino, fumo do tabaco durante todo o período do trabalho", disse recentemente ao Publituris.

As contas deste sindicato ilibam os hotéis, mas confirmam a precariedade da restauração onde "80% dos trabalhadores recebem o salário mínimo". Na sua leitura composta, os organismos oficiais diziam que, em abril, 39% do setor do alojamento e restauração levava a remuneração mínima para casa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."