Salários médios sobem no turismo, mas ainda não vão além dos 632 euros

Setor contesta contabilização feita pelo INE que apenas inclui "alojamento, restauração e similares".

Desde 2014 que o turismo em Portugal bate recordes, mas os salários contabilizados pelo gabinete de estatísticas nacional parecem não acompanhar este ritmo de crescimento. No ano passado, o salário médio líquido pago pelas "atividades de alojamento, restauração e similares" não foi além dos 632 euros. São mais 41 euros do que em 2014 quando a atividade voltou a crescer, e apenas mais 45 que em 2011, em pleno ano de entrada da troika em Portugal. Em comparação, no ano passado, o país recebeu quase 21 milhões de turistas, com o setor a valer 7% da economia nacional em 2016, segundo a Conta Satélite de dezembro, com as receitas a atingir 12,6 mil milhões de euros (o dobro do valor de há dez anos). Só no último ano, o Turismo cresceu mais 9% em hóspedes e 19% em receitas.

Pouco qualificado e com forte rotatividade de empregos, o setor não se autopromove como o melhor pagador, mas também não se revê nos números, e aponta falhas ao gabinete de estatísticas. "Se juntarmos à hotelaria e à restauração agências de viagens, companhias aéreas, aeroportos, operadores, campos de golfe, resorts... isto sobe", alerta Francisco Calheiros, presidente da Confederação do Turismo de Portugal (CTP) ao DN/Dinheiro Vivo, que chama a atenção para a subvalorização da indústria turística. "Queremos que as CAE [classificações de atividades económicas] sejam muito mais expressivas, até pelo peso que a confederação representa."

Não é só. O patrão do turismo alerta para uma configuração remuneratória pouco convencional, que as estatísticas não refletem. "Muitos trabalhos têm um ordenado de mil, 1500 euros que equivale 80% a 90% do seu rendimento base. No turismo não é nada disto. O ordenado-base, e é este que conta para as estatísticas, não tem nada que ver com o ordenado total", detalha, adiantando que a grande maioria das empresas que compõem esta indústria apresentam "uma atividade 24 horas por dia, sete dias por semana, 365 dias por ano", o que levou à criação de "subsídios de noite, subsídios de sábado e domingo, de línguas ou de caixa". A estes bónus acrescem ainda, por contratação coletiva, a alimentação que no caso da hotelaria é toda paga pelo empregador, do pequeno-almoço ao jantar. E quem não dá alimentação paga-a. O referencial que estamos a ter de comparativo está errado", diz Calheiros.

A Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) não tem números sobre o andamento dos salários em 2017. Mas um último levantamento de 2016 apontava para "salários médios de 1035 euros, excluindo subsídios, designadamente de alimentação, e prémios sem caráter certo e permanente". Esta remuneração, adiantou a associação, foi paga durante 14 meses. Nesse ano, o INE apontava para vencimentos médios líquidos de 614 euros nas "atividades de alojamento, restauração e similares", a única contabilização que existe. "O turismo, maior setor económico nacional, enquadra diversos subsetores, desde a hotelaria à restauração, e outras formas de alojamento, empresas de animação, organização de congressos, agências de viagens, etc.", reforça a associação, deixando um apelo à afinação da estatística.

"Quando se fala em "salários no alojamento e na restauração" haveria que distinguir um e outro setor, e dentro do alojamento, a hotelaria. Os níveis salariais dos trabalhadores não são os mesmos, nem as suas funções ou formação".

Com a indústria a braços com uma falta de pessoal nunca antes vista - e previsões de que sejam precisos 40 mil trabalhadores em 2018, o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte diz que a falta tem que ver com o emprego oferecido. "O problema são os salários baixos, más condições de trabalho, horários de trabalho, não pagamento de feriados, ritmos de trabalho, trabalho ilegal e clandestino, fumo do tabaco durante todo o período do trabalho", disse recentemente ao Publituris.

As contas deste sindicato ilibam os hotéis, mas confirmam a precariedade da restauração onde "80% dos trabalhadores recebem o salário mínimo". Na sua leitura composta, os organismos oficiais diziam que, em abril, 39% do setor do alojamento e restauração levava a remuneração mínima para casa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.