Rendimento das famílias portuguesas ainda abaixo de 2008

Além de em Portugal, também na Croácia, Grécia, Itália, Espanha e Holanda o rendimento disponível bruto das famílias continuava a ser inferior ao nível de 2008, ano do início da crise

Portugal é um dos países onde o rendimento dos agregados familiares se mantém a níveis inferiores a 2008, indicou hoje a Comissão Europeia no relatório trimestral sobre a evolução do emprego e da situação social na União Europeia.

No relatório, hoje divulgado, Bruxelas assinala que a situação financeira dos agregados familiares da União Europeia (UE) continuou a melhorar a uma taxa de crescimento anual de cerca de 1,5%, impulsionada sobretudo por um aumento do rendimento do trabalho, e que, até à primeira metade de 2017, quase todos os Estados-membros continuaram a registar um crescimento do rendimento dos agregados familiares, com exceção de alguns países, como Portugal.

Além de em Portugal, também na Croácia, na Grécia, em Itália, em Espanha e na Holanda, o rendimento disponível bruto das famílias continuava a ser inferior ao nível de 2008, ano apontado como o do início da crise.

Segundo a última edição do relatório trimestral sobre a evolução do emprego e da situação social na Europa, o emprego na UE no terceiro trimestre de 2017 continuou a crescer a um ritmo mais sustentado do que o previsto, apoiado por um forte crescimento económico e acompanhado de uma diminuição da taxa de desemprego, tendo aumentando 1,7% em relação ao ano anterior.

Entre os países que mais contribuíram para a diminuição da taxa de desemprego conta-se Portugal, que registou a segunda maior quebra (2,4% até aos 7,8%) a seguir à Grécia (2,7% para 20,7%).

Portugal destaca-se também na lista de países que mais reduziu o desemprego de longa duração no terceiro trimestre de 2017, sendo o segundo em termos de variação percentual (menos 1,9%) atrás de Espanha (2%).

O relatório revela também que o desemprego na UE está progressivamente a aproximar-se dos níveis anteriores à crise. O desemprego diminuiu cerca de 8,6 milhões desde o seu pico registado em abril de 2013, ficando abaixo dos 18 milhões em dezembro de 2017 e atingindo, assim, o seu nível mais baixo desde novembro de 2008.

"O crescimento está de volta à Europa. O emprego na UE atingiu o seu nível mais elevado de sempre, com mais de 236 milhões de pessoas ativas. A taxa de desemprego, por seu turno, está a diminuir de forma constante. É altura de tirar o máximo partido desta dinâmica económica positiva e dar substância aos novos direitos mais eficazes que estabelecemos no Pilar Europeu dos Direitos Sociais: condições de trabalho justas, igualdade de acesso ao mercado de trabalho e proteção social adequada", defendeu a Comissária responsável pelo Emprego, Assuntos Sociais, Competências e Mobilidade Laboral, Marianne Thyssen, citada em comunicado.

O relatório salienta ainda a subida constante da taxa de emprego da faixa etária 20-64 anos ao longo dos últimos três anos, situando-se nos 72,3% no terceiro trimestre de 2017, a taxa mais elevada de sempre, e a melhoria de 0,8% na produtividade laboral na EU, comparativamente com o terceiro trimestre de 2016.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.