Reembolsos do IVA devem anular devolução da sobretaxa do IRS

Cenário mais provável é de que trabalhadores e pensionistas não tenham direito a crédito fiscal da sobretaxa em 2016. PS chama Paulo Núncio a dar explicações na Assembleia da República com carácter de "urgência"

Os trabalhadores e pensionistas devem preparar-se para não contar com qualquer devolução da sobretaxa de IRS. A tendência é para que a receita do IRS e do IVA "alise" em termos homólogos nesta reta final do ano e está agora a verificar-se uma maior rapidez nos reembolsos do IVA por parte do Estado às empresas, alertam os especialistas ouvidos pelo DN/Dinheiro Vivo. O tema está já a causar desconforto entre o PSD e o CDS-PP e levou mesmo ontem o PS a exigir com "carácter de urgência" a presença dos secretários de Estado dos Assuntos Fiscais e do Orçamento no Parlamento.

Depois de a execução orçamental de setembro (revelada duas semanas após a realização das eleições) ter baixado de 35% para 9,7% a estimativa de devolução da sobretaxa, o Jornal de Negócios veio ontem dar como certo de que esta devolução pode chegar a 0% em outubro. Os números oficiais só serão conhecidos na quarta-feira, mas Domingues de Azevedo, bastonário da Ordem dos Contabilistas Certificados, não tem dúvidas de que daqui para a frente as estimativas não vão melhorar.

"Quem paga sobretaxa deve esperar receber 0%", diz. Decisivo neste desfecho, afirma, são os sinais que lhe vão chegando por parte das empresas e que dão conta de uma aceleração nos reembolsos do IVA desde o mês passado. "Neste momento, as devoluções do IVA estão a ser desblo- queadas e a ser processadas de forma mais rápida. Isto começou a sentir-se a partir de meados de outubro", referiu.

Ao longo dos últimos meses, a Unidade Técnica de Acompanhamento Orçamental (UTAO) alertou por diversas vezes que o crescimento do IVA em 2015 estava a beneficiar da queda do valor dos reembolsos face a 2014. O Ministério das Finanças negou sempre esta leitura, afirmando que as situações não são comparáveis pelo facto de o sistema e-fatura permitir fazer uma triagem mais eficaz de quem tem e não tem direito àquele reembolso.

Vasco Valdez, que assumiu a pasta dos Assuntos Fiscais no governo de Durão Barroso, afirma que, neste momento, apenas o governo tem dados que permitem saber se vai ou não haver lugar a devolução da sobretaxa. Mas refere que à luz dos indicadores que vão sendo conhecidos, não há razões para acreditar que o crédito fiscal se materialize.

A receita dos impostos tende a crescer na segunda metade do ano (ver infografia). Não havendo alterações de maior na atividade económica ou nas taxas dos impostos, a tendência é para que a evolução homóloga "alise" nesta reta final do ano. Do lado do IRS, os reembolsos estão já arrumados - ainda que este imposto possa beneficiar de outubro em diante do efeito da reversão do corte salarial de 20% na função pública - e, no IVA ,os sinais de abrandamento do consumo são mais um fator que pode anular o crédito fiscal ou atirá-lo para um valor "completamente marginal".

No mês passado, o IRS foi apontado como o "culpado" para a quebra abrupta na estimativa do crédito fiscal, mas o certo é que, sublinha o fiscalista Manuel Faustino, tem sido a evolução da receita do IVA que tem dado algum fôlego à perspetiva de devolução da sobretaxa. O crédito fiscal foi a resposta da coligação à proposta da bancada do CDS-PP de baixar a sobretaxa de 3,5% para 3% no Orçamento do Estado de 2015. A perspetiva de que possa não se concretizar está a causar alguma divisão entre os deputados dos dois partidos.

Para existir devolução é necessário que a receita conjunta do IRS e do IVA cresçam mais de 3,7% face a 2014. Ora, afirma Manuel Faustino, o "IRS está exaurido" e "seria um milagre" se conseguisse crescer este ano e, "quem contou com o crédito fiscal, deve desiludir-se".

O PS quer que o governo explique a súbita queda "após as eleições" na estimativa deste crédito e apresentou um requerimento para ouvir Paulo Núncio e Hélder Reis no Parlamento. O pedido só será votado na próxima semana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".