Processo de compra da Media Capital na AdC pode deslizar até março

Grupo Altice já segue a estratégia de convergência entre telecom, media e publicidade digital em mercados como França e Estados Unidos

O objetivo da Altice era ter a compra da Média Capital concluída nos reguladores até ao final do ano, mas o grupo francês dono do Meo já admite que o fecho da operação de mais de 440 milhões de euros possa vir a derrapar para o primeiro trimestre do próximo ano, de acordo com fontes próximas do processo ouvidas pelo DN/Dinheiro Vivo.

A discussão pública que a compra do grupo da TVI está a gerar, com a concorrência, como a NOS e a Vodafone, a levantarem questões a nível do impacto da concorrência no mercado português, vai levar a que a Autoridade da Concorrência, o regulador que agora tem em mãos o negócio e voto decisivo na matéria, queira ser ainda mais "minuciosa" na sua análise, acreditam fontes próximas da operação.

Resultado? Um atraso de três meses até haver uma decisão do regulador.

A não decisão da ERC foi muito criticada pela NOS, que considerou o voto do presidente no conselho regulador dos media, Carlos Magno, "incompreensível". Magno votou vencido, contra o voto negativo dos dois restantes membros do conselho regulador.

Paulo Azevedo, da Sonae, politizou mesmo o negócio e classificou, numa entrevista ao Expresso, a venda da televisão generalista como uma "aberração" que deve ser travada pela Assembleia da República. Antes, já tinha referido que o negócio tinha potencial para ser uma Operação Marquês dez vezes maior. A Altice já respondeu e diz que vai avançar com uma ação contra o empresário.

As questões de pluralismo dos media serão particularmente esmiuçadas pela Concorrência. A compra dos ativos da Média Capital, juntando-os ao Meo, poderá dar posição dominante à Altice, acreditam fontes próximas da operação. Mas lembram que, em Portugal, a Altice não detém ativos de média além do portal Sapo.

A estratégia de convergência entre telecom, media e, mais recentemente, publicidade digital, que o grupo de Patrick Drahi quer levar a cabo em Portugal não é inédita: em mercados como França e EUA já detém jornais, como o Libération, rádios ou canais locais de TV no estado de Nova Iorque.

Se a estratégia de expansão passa pelos conteúdos, o foco de crescimento vai ser o digital. Colocar conteúdos da TVI no máximo de plataformas possível, inclusive digital, estará nos planos da companhia. Fontes próximas do negócio admitem mesmo que, quando avançar o concurso para incluir mais canais na TDT (plataforma que é gerida pelo Meo), a Altice poderá concorrer colocando o TVI 24, até aqui apenas no cabo, em sinal aberto para captar uma fatia do bolo publicitário. Criar mais canais locais, à semelhança do estado de Nova Iorque, como o 12 News Channel, foi igualmente referido por fontes ouvidas pelo DN/Dinheiro Vivo.

Produzir mais conteúdos em português, levá-lo para o mercado externo faz também parte dos planos, tem vindo a garantir o grupo. Fontes próximas do negócio referem mesmo que, no que toca a produção televisiva, o objetivo passa por transformar a produtora Plural numa espécie de Altice Labs, o centro de inovação do grupo em Aveiro, na área da produção, potenciando as instalações e o conhecimento técnico do pessoal em produções para todo o grupo.

Mas é para o digital que o grupo olha com muita atenção. É um mercado em explosão, e querem com a Teads criar soluções publicitárias tailor made para as marcas. E nos Estados Unidos já estão a unir o conhecimento dos clientes de TV com os recursos do digital. Com a compra da TVI, juntando o Sapo e o IOL, a Altice poderá ganhar uma mais-valia nesse campo.

Manter plataformas de canais com a TVI aberta à concorrência e disponibilizar no Meo os canais concorrentes são promessas que o grupo tem referido. Fontes ouvidas pelo DV dão o exemplo do compromisso alcançado no futebol, em que os operadores têm acesso a todos os conteúdos como sinal da abertura em manter os conteúdos num regime não exclusivo.

Mas este foi um caso em que o braço-de- -ferro entre operadores foi duro e motivou corrida a conteúdos, com a NOS a fechar com o Benfica e o Sporting, depois da Meo fechar com o FC Porto. E, para ter acesso aos conteúdos, a Meo teve de aceitar o memorando de entendimento já firmado entre NOS e Vodafone.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.