Privados ameaçam cortar com a ADSE. 1,2 milhões podem ter de passar para o SNS

Clima de tensão entre privados e ADSE chegou ao limite. José de Mello e Luz Saúde podem rasgar acordo

Preços sem acordo, pagamentos atrasados ou em menor valor do que o previsto, dívidas por regularizar... os problemas entre o subsistema de saúde e os grupos privados arrastam-se há muito e parecem agora ter chegado ao ponto de tensão máxima. Com os privados a ameaçar rasgar o acordo com o Estado.

A confirmar-se a rutura, os cerca de 1,2 milhões funcionários públicos e pensionistas do Estado que atualmente beneficiam deste subsistema terão de ser encaminhados para o Serviço Nacional de Saúde comum.

A notícia foi avançada esta tarde pelo Expresso e surge numa altura em que a Lei de Bases da Saúde está a trazer mais crispação e tensão política entre as esquerdas - e a nova ministra, Marta Temido - que defendem que o Estado se desligue ao máximo dos privados e PSD, CDS e parte do PS que, tal como o Presidente da República tem defendido, veem vantagens num modelo em que os privados possam ajudar o Estado a gerir a saúde de forma mais eficiente.

José de Mello Saúde e Luz Saúde, dois maiores grupos privados, não estiveram disponíveis para confirmar ou cometar a notícia ao Dinheiro Vivo. Em comunicado, a ADSE negou ter recebido, para já, qualquer documento oficial.

Recorde-se que já no mês passado foi anunciado o fim da Parceria Público-Privada em Braga, considerado por dois anos consecutivos o melhor hospital do país. E para já a ideia prevalecente é que, depois de a saída do grupo José de Mello Saúde se concretizar, não seja feito novo concurso para uma gestão privada.

Leia mais no Dinheiro Vivo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.