Portugueses são dos que menos gastam em viagens turísticas

Alemães lideram nos gastos em períodos de férias, despendendo 120 milhões de euros (média de 443 euros por viagem)

Os portugueses são dos cidadãos europeus que menos gastam em deslocações de turismo, ao desembolsarem em média 136 euros por viagem turística, menos de metade da média da União Europeia (336 euros), revelam dados divulgados esta segunda-feira pelo Eurostat.

Os números referentes a 2016 do gabinete oficial de estatísticas da UE, sobre "quem gasta mais nas férias", revelam que quem mais gasta são os luxemburgueses, com 768 euros em média por cada deslocação turística (uma ou mais noites), seguidos dos malteses (646 euros) e austríacos (607). No extremo oposto estão os portugueses (136), os checos (129), os romenos (124) e os letões (107 euros).

Em termos absolutos, quem mais gasta em férias são os alemães, que, tendo despendido 120 mil milhões de euros (com uma média de 443 euros por viagem), representaram 28% da despesa turística da UE, que atingiu em 2016 os 428 mil milhões de euros.

Do montante total gasto pelos cidadãos comunitários em viagens turísticas em 2016, 45% foi despendido no seu país de residência (turismo doméstico) e 55% noutros países, sendo que 66% dos gastos de férias dos portugueses foram em turismo doméstico, o quinto valor mais alto da União Europeia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.