Portugal pode perder mais de 9000 empregos com hard Brexit

Número é bastante inferior às perdas em países como Alemanha ou França, mas peso relativo no mercado de trabalho mostra um dos maiores impactos.

A saída do Reino Unido da União Europeia sem acordo pode conduzir à perda de 9200 postos de trabalho em Portugal, calcula um estudo publicado esta segunda-feira pelo think tank alemão Halle Institute of Economic Research (IWH), segundo o qual um hard Brexit, que se poderá precipitar a 29 de março, ameaça 600 mil empregos em todo o mundo.

Os dados da avaliação para Portugal revelam um número de postos de trabalho em risco bastante abaixo daqueles para que apontam as previsões para outros países europeus, como Alemanha (102.900), França (49.800), Polónia (46.500) ou Itália (46.200).

Mas é no peso relativo destes empregos no mercado de trabalho português que se revela o impacto maior. Em Portugal, o Brexit põe em causa 0,2% dos empregos, com o país na 11ª posição entre os que poderão sofrer as maiores perdas relativas.

Portugal, com exportações para o Reino Unido que fazem 4,97% das vendas ao exterior, sofre em percentagem de postos de trabalho ameaçados mais do que Itália ou França, onde o peso das exportações para o Reino Unido é superior - 5,74% e 6,14%, respetivamente.

Leia mais no Dinheiro Vivo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.