Cruzeiros. Porto de Lisboa bate recorde de passageiros em outubro

Desde o início do ano até outubro, o Porto de Lisboa registou 281 escalas e 486 588 passageiros

O Porto de Lisboa registou em outubro o melhor mês de sempre em número de passageiros de cruzeiro, batendo o anterior recorde que se encontrava abaixo dos 100 mil, atingindo agora os 108 875, foi esta segunda-feira anunciado.

Em comunicado, o Porto de Lisboa avança que o anterior recorde de passageiros era de 96 261 e datava igualmente do mês de outubro, mas de 2013.

Em relação a outubro de 2017, o crescimento foi de 47%, sendo que o número de passageiros em trânsito subiu 48%, dos 60 520 para os 89 791.

Os passageiros em turnaround (que fazem escala) foram mais de 43% comparativamente a outubro do ano passado, subindo dos 13 381 para os 19 084.

De acordo com o Porto de Lisboa, o elevado fluxo do número de passageiros em turnaround em outubro deste ano deve-se ao facto de se terem registados maiores operações de turnaround e mais operações de interporting (cruzeiros que embarcam ou desembarcam passageiros em vários portos ao longo do percurso que estão a fazer), que contribuíram com 8.546 passageiros embarcados/desembarcados do total de 19 084 contabilizados.

Ainda segundo o Porto de Lisboa, o aumento do número de escalas em interporting contribuiu para uma maior oferta do turismo de cruzeiros a partir de Portugal e permitiu o movimento de 5 390 passageiros de cruzeiro de nacionalidade portuguesa durante o mês de outubro.

Em termos acumulados, de janeiro a outubro de 2018, a atividade de cruzeiros no Porto de Lisboa registou 281 escalas e 486 588 passageiros, o que representa um crescimento de 1% em escalas e de 11% em número de passageiros face ao período homólogo de 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.