Peso de Trás-os-Montes na produção de azeite cai para quase metade numa década

O Alentejo, o maior produtor nacional, passou a ser responsável por 71% da produção nacional

A região de Trás-os-Montes continua a ser a segunda maior produtora portuguesa de azeite, mas o seu peso a nível nacional caiu para quase metade numa década, segundo organizações ligadas ao setor.

A evolução e o futuro do setor estão hoje em debate, em Macedo de Cavaleiros, no distrito de Bragança, num encontro promovido pela Federação Nacional das Cooperativas Agrícolas de Olivicultores, associada da CONFAGRI.

Segundo disse à Lusa a secretária-geral da Fenazeites, Patrícia Falcão Duarte, a produção está a aumentar em todo o país, mas enquanto, em 2007, a região de Trás-os-Montes era responsável por 30% da produção nacional, em 2016, esse valor que caiu para 16%. Já no Alentejo, o maior produtor nacional passou a ser responsável por 71% da produção nacional, quando, em 2007, valia 45%.

"Tendo em conta que o azeite é de excelente qualidade queremos perceber o que está a acontecer", indicou a secretária-geral da Fenazeites, organização que lembra que o azeite de Trás-os-Montes é um produto com Denominação de Origem Protegida (DOP) pela União Europeia desde 1996.

Como realça esta organização, "a qualidade destes azeites é mundialmente reconhecida, as suas características fazem dele um produto único, e os inúmeros prémios conquistados têm aumentado o seu prestígio, sobretudo no mercado internacional", pelo que "pode contribuir para aumentar as exportações do país, desde que se consiga manter a dinâmica no setor e o empenho dos produtores".

Esta região gera, neste setor, cerca de 30 milhões de euros para a economia portuguesa e a área de olival e a produção de azeite têm vindo a aumentar, o problema está nas características das explorações, na opinião de Luís Rodrigues, presidente da Cooperativa Agrícola de Macedo de Cavaleiros, a anfitrião do encontro de hoje.

"Nós temos explorações pequenas e muito divididas, que prejudicam a modernização e apanha da azeitona", concretizou.

Outro problema apontado é "o pouco regadio e mal aproveitado" na região, que faz com que Trás-os-Montes esteja a perder para o Alentejo que tem registado uma "impressionante quantidade de olival" novo, devido ao potencial do Alqueva.

"Estamos (em Trás-os-Montes) a produzir mais, mas estamos a perder na percentagem nacional porque o regadio é fundamental para a agricultura funcionar", afirmou, defendendo que esta terá de ser uma aposta no próximo quadro comunitário de apoio, depois de 2020, que estará em debate no encontro de hoje.

Outro facto negativo para o setor na região, é a pequena dimensão dos terrenos, que "não é fácil de ultrapassar", como constatou o dirigente.

"As pessoas estão apegadas à terra. Já se tentaram fazer emparcelamentos muitas vezes, mas não é fácil mudar mentalidades", sustentou.

A valorização do preço do azeite é uma das reivindicações dos produtores que estará presente neste encontro para discutir o futuro da Política Agrícola Comum (PAC) pós 2020.

Ouvir o setor e dar as últimas informações disponíveis é também o propósito deste encontro, como realçou a secretária-geral da Fenazeites, Patrícia Falcão Duarte.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.