O apartamento "mais pequeno da cidade de Lisboa" está à venda por 150 mil euros

Em pleno coração de Alfama, este T0 anunciado como T1 tem 15m² e está a ser vendido por 150 mil euros. Um negócio para estrangeiros

"Pequeno no tamanho, Grande no rendimento". Este é o slogan que uma agência imobiliária usa para promover a venda de um T1, que é um T0, pois o quarto é na sala que é a cozinha.

Localizado em Alfama, o público-alvo para habitar no espaço não é português, já que o apartamento até já está inscrito como Alojamento Local.

Por 150 mil euros é-nos apresentado "um dos apartamentos mais pequenos da Cidade de Lisboa". O imóvel com cerca de 15m², fica na Rua dos Remédios, uma das mais típicas da capital.

Se pensa que o preço é exagerado tendo em conta o espaço, tenha em atenção que "o imóvel, remodelado, no qual se manteve as janelas de origem típicas de Alfama, será vendido totalmente mobilado e equipado".

Veja as fotos do apartamento que está a causar polémica nas redes sociais, uma vez que é um dos exemplos do caminho que a cidade de Lisboa está a trilhar na especulação imobiliária.

Conforme o DN noticiava a 17 de abril, comprar casa em Portugal está cada vez mais caro e a escalada dos preços já nem sequer passa ao lado dos estrangeiros. A procura é ainda elevada, mas os investidores começam a pensar duas vezes antes de fazer as malas e rumar a Portugal.

No ano passado, uma em cada cinco casas vendidas em Portugal foi parar a mãos estrangeiras. Brasileiros, mas sobretudo franceses, foram os que mais procuraram Portugal para viver.

Note-se que o preço do metro quadrado na capital é o mais elevado do país tendo ultrapassado no último trimestre do ano passado os 2300 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

adoção

Técnicos e juízes receiam ataques pelas suas decisões

É procurador no Tribunal de Cascais há 25 anos. Escolheu sempre a área de família e menores. Hoje ainda se choca com o facto de ser uma das áreas da sociedade em que não se investe muito, quer em meios quer em estratégia. Por isso, defende que ainda há situações em que o Estado deveria intervir, outras que deveriam mudar. Tudo pelo superior interesse da criança.