Novo call center da Altice cria 150 empregos na Covilhã em fevereiro

Trata-se do 13.º centro de apoio telefónico da operadora, lançado em parceria com a Randstad

A parceria entre a Altice e a Randstad não é nova. O novo call center que vai ser inaugurado em fevereiro, na Covilhã, será o 13.º que as duas empresas criam no país. O protocolo para a instalação do centro de apoio telefónico na Covilhã já foi assinado com a Câmara Municipal, presidida por Vítor Pereira. A nova estrutura está instalada no Parque de Ciência e Tecnologia da Covilhã (Parkubis).

De acordo com a Altice, o novo centro terá 128 postos de atendimento, e deverá acabar o ano de 2018 com 150 trabalhadores. O objetivo é que venha a ter 200 operadores. Estes postos de trabalho juntar-se-ão aos mais de 1500 já criados pela Altice e pela Randstad. Mas a empresa promete aumentar ainda mais o emprego em Portugal. "Queremos criar quatro mil novos postos de trabalho em call centers", garante o presidente executivo da Altice, Alexandre Fonseca.

Para o gestor, "esta é mais uma prova da vontade clara da Altice em investir no nosso país, criando valor, emprego, construindo e modernizando infraestruturas". A zona do país escolhida para o novo investimento não foi um acaso: "A localização destes centros de contacto são uma opção estratégica da Altice, sendo instalados em zonas de baixa densidade populacional, para procurar dar à resposta à preocupação da desertificação."

O presidente da Câmara Municipal da Covilhã agradece: "Responde às ambições dos nossos munícipes, que é trabalharem onde vivem", afirma Vítor Pereira, que sublinha "a primazia dada ao interior pela Altice".

A Câmara da Covilhã também teve de investir na "criação de condições logísticas e técnicas" para este novo centro, avança o autarca ao DN/Dinheiro Vivo, num total de cem mil euros. O protocolo assinado com a Randstad prevê que esta invista 3600 euros em formação para cada trabalhador e 75 mil euros em remunerações para um grupo de cem pessoas .

O presidente executivo da Randstad, José Miguel Leonardo, destaca os bons resultados da parceria com a Altice, um "trabalho desenhado a três anos, e que muitos frutos tem dado", considera.

Arranjar recursos humanos na região não tem sido um problema. "Há uma longa tradição de emigração para países de língua francesa. Temos massa crítica", diz Vítor Pereira. Os salários são "acima da média", garante o autarca.

A Covilhã tem também instalado no seu território o data center da Altice-PT, inaugurado em 2013, e que emprega 200 pessoas. No entanto, diz o autarca, o investimento "ficou muito aquém do convencionado", que foi um total de cerca de mil novos empregos. Mas Vítor Pereira não dá o caso como perdido: "Estou convencido de que outros projetos - não posso garantir, mas tenho expectativas fundadas - possam aumentar o número de trabalhadores, nomeadamente a concessão de outros blocos." Segundo o autarca, "podem vir a ser construídos mais um ou dois blocos deste data center para armazenamento de dados de um projeto científico".

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.