Novas regras de emissões obrigam Autoeuropa a parar mais uma semana

Veículos. Fábrica de Palmela da Volkswagen vai parar durante três semanas em agosto, alargando o período habitual de férias, para se adaptar às novas normas (WLTP) de medição do consumo e das emissões poluentes

A Autoeuropa vai ser obrigada a parar mais uma semana do que estava previsto para poder adaptar a fábrica de Palmela à nova regulamentação (WLTP) sobre a medição do consumo e das emissões poluentes. É mais um problema para as exportações portuguesas e para o ritmo de crescimento da economia. Mas a meta de produção de 240 mil carros neste ano não vai ser afetada, garante a empresa do grupo Volkswagen, graças à criação de novos turnos e do trabalho ao domingo logo após as férias de verão.

A interrupção na produção, que habitualmente decorre nas primeiras duas semanas de agosto, irá estender-se neste ano até 23 de agosto, confirmou ao DN/Dinheiro Vivo fonte oficial da Autoeuropa. "A partir de 1 de setembro entra em vigor uma nova regulamentação legal (WLTP), que dá origem a mudanças nos processos de medição do consumo e das emissões dos veículos. Esta alteração está a ter um impacto global em todos os construtores automóveis e o Grupo Volkswagen não é exceção. O impacto identificado neste momento na Volkswagen Autoeuropa confirma a necessidade de alterar o calendário de férias. Por conseguinte, o shutdown começa a 1 de agosto e o reinício da produção é no dia 23 de agosto, às 07.00."

A norma Worldwide harmonized Light vehicles Test Procedure (WLTP) vai conferir aos automóveis valores de consumos e de emissões poluentes mais realistas, o que poderá ter como resultado um agravamento dos preços atendendo à tabela fiscal de imposto sobre veículos (ISV), com incidência nas componentes de cilindrada e emissões de CO2. As marcas de automóveis estão a fazer todos os esforços para que os novos veículos consigam obter os mesmos valores de emissões e assim evitar o agravamento dos preços de venda junto dos consumidores.

Ao todo, esta paragem forçada vai obrigar as fábricas da VW na Europa a suspender a montagem de 250 mil carros entre agosto e setembro. Herbert Diess, presidente do grupo alemão, admitiu que estava a trabalhar "sob muita pressão para que as novas medidas afetem o menos possível" a produção.

A Autoeuropa, na verdade, garante que a meta de produção de 240 mil carros neste ano não vai ser afetada, uma vez que, assim que a fábrica de Palmela estiver pronta para as novas normas de emissões, vai passar a funcionar todos os dias para poder responder ao aumento da procura do novo modelo - o SUV T-Roc.

A partir de 23 de agosto vai ter 19 turnos de laboração: três turnos diários de segunda a sexta e dois turnos diários ao sábado e ao domingo. Já está acordado com a administração de Miguel Sanches que os trabalhadores terão uma semana de trabalho de cinco dias, com duas folgas consecutivas. Estes dias de descanso serão gozados ao sábado e ao domingo de duas em duas semanas. Trabalhadores e administração voltam hoje a negociar as condições de pagamento dos domingos (ver caixa).

Além dos novos turnos, a fábrica vai voltar a aumentar a produção diária do T-Roc depois das férias de agosto. Por hora, haverá uma subida "de 30 para 32 carros na área das carroçarias".

A paragem de mais uma semana na produção da Autoeuropa poderá, no entanto, ter um efeito colateral - um maior abrandamento das exportações portuguesas. O Banco de Portugal, nas últimas projeções, previu que as exportações de bens e serviços cresçam apenas 5,5% em 2018, em vez dos 7,2% esperados em março. A descida abrupta dever-se-á , em parte, a um comportamento ligeiramente inferior ao expectável por parte da Autoeuropa, como noticiou o Eco.

Apesar disso, de janeiro a maio, produziram-se 75 034 veículos para exportação em Portugal, um aumento de 14,1% em relação aos primeiros cinco meses de 2017. A fábrica de Palmela contribui com 1% do PIB e dá emprego, direta e indiretamente, a 8700 pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.