Montepio "não pediu coisa nenhuma" e admite voltar à isenção de IRC

Presidente do Montepio garante que a associação "não pediu coisa nenhuma" ao fisco. Crédito fiscal permitiu transformar prejuízo em lucro e Tomás Correia admite pedir novamente a isenção de IRC

António Tomás Correia assegura que a Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG) "não pediu coisa nenhuma" à Autoridade Tributária. O presidente da instituição reage assim à polémica em torno do facto de, deixando de estar isenta de pagamento de IRC, a AMMG ter beneficiado do regime dos ativos por impostos diferidos - uma medida pensada para a banca que permite adiar pagamento de impostos de ativos em desvalorização, incluindo crédito malparado.

Tomás Correia afirma que a AMMG "não pediu coisa nenhuma, nem tem de pedir". O presidente da instituição esclarece que teve "dúvidas acerca do regime fiscal" e que "quem tem dúvidas tem de se esclarecer, e foi o que fizemos. Pedimos à Autoridade Tributária que nos esclarecesse sobre a situação fiscal da AMMG". A AT respondeu, informa, "dizendo que não preenchemos as condições de isenção. E não preenchendo as condições, temos de pagar impostos".

(Leia mais em TSF.pt)

António Tomás Correia é o entrevistado desta semana no programa "A Vida do Dinheiro", uma parceria TSF / Dinheiro Vivo que pode escutar na íntegra neste sábado depois das notícias da uma da tarde

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).