Montepio: Banco de Portugal vai recorrer de anulação de coimas

O Tribunal da Concorrência anulou uma decisão do Banco de Portugal que condenou o Montepio e oito ex-administradores.

O Banco de Portugal vai apresentar recurso da decisão do Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão de anular a aplicação de coimas de 4,9 milhões de euros pelo supervisor ao Montepio e oito antigos administradores.

O juiz Sérgio Sousa considerou que foi violado o direito à defesa na fase administrativa, determinando a anulação da acusação e das notificações emitidas e a devolução do processo ao BdP, para que este profira "nova decisão isenta dos vícios que decretaram a nulidade".

"O Banco de Portugal discorda do entendimento subjacente à decisão agora proferida pelo Tribunal da Concorrência Regulação e Supervisão, que diverge, aliás, do teor de muitas outras que, ainda recentemente e sobre a mesma questão de direito, têm sido proferidas por tribunais superiores", refere o supervisor num comunicado divulgado esta segunda-feira. "Deste modo, o Banco de Portugal irá apresentar recurso da mesma", adianta.

O supervisor salienta "que o Tribunal da Concorrência Regulação e Supervisão não se pronunciou sobre a substância das infrações pelas quais o Banco de Portugal havia condenado os arguidos, não tendo, portanto, de modo nenhum, emitido qualquer juízo a esse respeito, designadamente no sentido de absolver os arguidos das infrações que lhe foram imputadas".

A decisão do Banco de Portugal de condenar o Montepio e alguns antigos administradores do banco foi conhecida em fevereiro deste ano, através de notícias nos media, e é relativa a alegadas irregularidades cometidas pelo Montepio e pelos seus ex-administradores. Entre os visados pela nota licitude do Banco de Portugal está António Tomás Correia, que foi presidente do Montepio e preside atualmente à Associação Mutualista Montepio Geral, dona do banco.

A idoneidade de Tomás Correia está a ser avaliada pela Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões desde março deste ano, na sequência da decisão do Banco de Portugal. Atualizada às 13H04 com mais informação.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.