Microsoft alerta para telefonemas falsos em nome da empresa

A gigante no ramo da tecnologia emitiu um comunicado através do Centro Nacional de Cibersegurança a dar conta da "continuação de telefonemas fraudulentos em nome da Microsoft.

A Microsoft alertou na passada sexta-feira para a "continuação de telefonemas fraudulentos" em nome da empresa, "à semelhança de alerta de 10 de janeiro de 2019", com "articular aumento das denúncias" durante o dia 8 de fevereiro.

Através de um comunicado emitido no Centro Nacional de Cibersegurança, a gigante no ramo da tecnologia adianta que "tudo indica que esta campanha tem como objetivo o roubo de informações e/ou ataque de ransomware". " Os atacantes, através de telefonema, fazem passar-se por representantes da Microsoft, incentivando as vítimas a instalarem programas maliciosos no computador, de modo a poderem roubar informações e/ou cifrar conteúdos, eventualmente exigindo um resgate. Existe ainda uma forte possibilidade destes falsos "funcionários" da Microsoft acederem a detalhes de cartões de crédito através destes programas maliciosos", acrescenta.

"Caso receba alguma chamada deste tipo, não responda às solicitações nem forneça qualquer dado pessoal. Deve ainda fazer queixa à autoridade judiciária ou ao órgão de polícia criminal competente", aconselha a Microsoft.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.