Krugman."Há espaço para aliviar um pouco a austeridade"

""Os mercados financeiros não vão entrar em pânico. Um ponto no PIB não vai fazer diferença, mas pode tornar os custos mais toleráveis para as pessoas", defendeu Paul Krugman, em Lisboa

O economista e vencedor do prémio Nobel, Paul Krugman, defendeu hoje que Bruxelas deve aliviar as regras orçamentais e dar mais flexibilidade aos pequenos países.

"A Comissão Europeia devia ser mais tranquila. A rigidez das regras [orçamentais] não é adequada à natureza dos problemas, já que os países não estão a ser indisciplinados do ponto de vista orçamental. O problema foi provocado por um ajustamento muito difícil e pela debilidade da economia europeia", disse o economista norte-americano à margem do VI Congresso da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED).

Paul Krugman considerou que esta flexibilidade "não significa uma licença para um gasto descontrolado", e lembrou que quando os grandes países violam as regras orçamentais, isso é perdoado de uma forma ou outra.

"Devia haver também esse perdão para os países mais pequenos", sublinhou, acrescentando que "uma economia europeia eternamente deprimida não interessa a ninguém".

Só o Banco Central Europeu colheu elogios.Krugman considerou que "é o exemplo de uma instituição europeia que está a tentar fazer o sistema funcionar" e que "Draghi e companhia estão a fazer tudo o que podem", em termos de política monetária, apesar de "os deuses da economia" não estarem ao seu lado.

Krugman afirmou que há espaço para aliviar um pouco a austeridade e mostrou-se novamente favorável às políticas expansionistas.

"Os mercados financeiros não vão entrar em pânico. Um ponto no PIB não vai fazer diferença, mas pode tornar os custos mais toleráveis para as pessoas", destacou.

O economista admitiu, no entanto, que a margem de manobra do Governo português é limitada face às imposições europeias.

"O Governo português não tem grande margem de manobra para alterar o cenário macroeconómico, mas pode minimizar o impacto sobre as pessoas, aliviando a política orçamental", sugeriu.

Quanto aos riscos sobre a sustentabilidade da dívida serão mais fracos, quanto mais forte for a economia europeia, embora a situação grega mereça algumas preocupações.

"Se a economia europeia, como um todo, tropeçar, se a inflação continuar baixa para sempre e não houver um crescimento forte, não só Portugal, mas todos os países do sul da Europa vão ter uma situação de dívida insustentável, mas acredito que isso não vai acontecer", declarou, de forma otimista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.