Isabel dos Santos e Sonangol têm na Bolsa 3,3 mil milhões

Empresária vai deixar de controlar as posições que a Sonangol detém no BCP. E perde influência na Galp

O poder que Isabel dos Santos detinha na Bolsa portuguesa vai ficar bem menor depois de ter sido exonerada da presidência da Sonangol. A filha do antigo presidente era uma das investidores mais poderosas em Portugal, sendo a responsável por participações na Galp, no BCP e na Nos, que têm um valor de mercado, aos preços atuais, de mais de 3,3 mil milhões de euros. Mas agora perde influência na Galp e deixa de controlar a participação no BCP, no qual a Sonangol ainda tem decisões a tomar. Fica apenas com a parceria com a Sonaecom na Nos.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.