Hospitais privados denunciam "práticas abusivas" da ADSE

CUF e Luz Saúde rasgam acordo. A direção da ADSE está neste momento reunida.

"Práticas negociais abusivas, proibidas por lei" e "falta de diálogo". São estas as principais queixas da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP), que acusa a ADSE de mudar as regras a meio do jogo e querer pagar atos clínicos abaixo do preço de custo.

"Não tem havido qualquer diálogo da parte da ADSE", critica Óscar Gaspar, que lidera a associação. Em declarações ao Dinheiro Vivo, o responsável lembra que "em setembro tinha sido acordado um calendário até ao final de 2018 para resolver uma série de questões, mas a 24 de outubro esse processo foi interrompido e nunca mais houve qualquer contacto por parte da ADSE". Razão pela qual a APHP realizou uma assembleia geral extraordinária a 27 de dezembro, tendo então tornado pública a sua preocupação "e o risco de os termos da convenção serem considerados insustentáveis por operadores".

O que agora aconteceu, com pelo menos dois dos maiores grupos privados que tinham convénios com este subsistema direcionado para funcionários públicos e pensionistas do Estado a rasgar o acordo com a ADSE. Ontem, a José de Mello Saúde anunciou a suspensão do acordo a partir de 12 de abril e ameaçou tornar esse afastamento definitivo, hoje foi a vez de a Luz Saúde anunciar a sua saída do acordo, com efeitos definitivos a 15 de abril.

Leia o artigo completo no Dinheiro Vivo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.