O mais rico do mundo já não é Bill Gates, diz a Forbes

O fundador da Amazon, Jeff Bezos, ocupa agora o primeiro lugar do 'ran king', com 112 mil milhões de dólares

O norte-americano Jeff Bezos, fundador e presidente da Amazon, foi considerado a pessoa mais rica do mundo, com uma fortuna avaliada em 112.000 milhões de dólares, de acordo com a classificação da revista Forbes, publicada hoje.

Jeffrey Preston Bezos, de 54 anos, que fundou a gigante do comércio eletrónico, estreou-se no topo da lista, alcançando uma inédita avaliação de 12 algarismos e destronando Bill Gates.

Gates, que encabeçou a lista dos mais ricos 18 vezes nos últimos 24 anos, tem uma riqueza avaliada em 90.000 milhões de dólares.

Bezos, que no ano passado ocupava a terceira posição, registou ganhos de 39.200 milhões de dólares e relegou o também norte-americano Warren Buffet, com uma fortuna avaliada em 84.000 milhões de dólares, para o terceiro lugar.

Na quarta posição está o empresário francês Bernard Arnault, com 72.000 milhões de dólares.

O fundador da rede social Facebook, Mark Zuckerberg, aparece em quinto lugar, e, após uma valorização de 15.000 milhões, tem agora uma fortuna avaliada em 71.000 milhões de dólares.

No sexto lugar está Amancio Ortega, empresário e criador do grupo têxtil Inditex, dono da cadeia de venda a retalho Zara.

O mexicano Carlos Slim, detentor de um grupo de empresas que inclui a maior companhia telefónica do seu país, ficou em sétimo lugar, com 67.100 milhões de dólares, segundo a revista.

A única fortuna portuguesa na lista é a de Maria Fernanda Amorim, viúva do empresário Américo Amorim, que surge avaliada em 5.100 milhões de dólares, cerca de 4.112 milhões de euros.

Nos primeiros cem, surgem dois representantes lusófonos: o brasileiro Jorge Paulo Lemann, acionista do grupo cervejeiro Anheuser-Busch InBev, na 29.ª posição, e o sírio radicado no Brasil Joseph Safra, banqueiro, na 36.ª.

A publicação informou que a lista deste ano, na sua 32.ª edição, inclui 2.208 pessoas com uma fortuna superior a mil milhões de dólares, mais 165 do que na lista do ano anterior.

Na lista surgem 256 mulheres, um número superior às 227 de 2017.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com uma fortuna de 3.100 milhões de dólares, caiu da posição 544 para a 766, após um ano em que perdeu 400 milhões de dólares.

Para elaborar a lista, a Forbes contabiliza o valor das ações e aponta que a subida nos mercados e o aumento das matérias-primas foram fatores fundamentais para a criação de mais riqueza no mundo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.