El Corte Inglés. Guerra de heranças termina com acordo de 8 milhões

Ex-presidente Dimas Gimeno saiu pelo próprio pé das últimas funções que ocupava na administração do grupo de armazéns.

É o fim de um prolongado conflito de heranças e de lideranças naquele que é o maior retalhista europeu em volume de vendas. O ex-presidente do espanhol El Corte Inglés vai receber oito milhões num acordo para deixar a administração do grupo, avança este domingo o El País. O entendimento foi alcançado ao fim do dia de ontem, pondo termo a um conflito entre Dimas Gimeno e as acionistas com o controlo dos armazéns, suas primas, Marta e Cristina Álvarez Guil.

O diário espanhol escreve que Dimas Gimeno aceitou sair pelo próprio pé, e antes de uma expulsão iminente, do grupo que em Portugal tem centros comerciais em Lisboa e Vila Nova de Gaia. O acordo foi negociado e aceite pelo conselho de administração do El Corte Inglés este sábado depois de Gimenos ter sido destituído do cargo de presidente em junho. O empresário manteve no entanto as funções não executivas que ocupava desde 2010.

O valor do acordo para o afastamento não foi anunciado pelas partes, mas o El País avança o montante de oito milhões da compensação que era reclamada pelo empresário pelas funções executivas ocupadas ao longo dos anos no grupo. O diário cita fontes próximas de Dimas Gimeno segundo as quais a decisão de avançar para a saída teve em conta a dimensão pública que o conflito estava a tomar e receios de prejudicar a imagem do El Corte Inglés. O afastamento do empresário da presidência em junho foi sustentado em oito votos favoráveis da administração e uma abstenção, e com críticas à estratégia digital que estava a seguir no El Corte Inglés. À semelhança dos restantes armazéns tradicionais, o grupo espanhol tem enfrentado forte concorrência do retalho online. Apesar disso, o grupo tem evidenciado bons resultados. O relatório do último ano do El Corte Inglés deu conta de um aumento de 25% nos lucros para 202 milhões de euros. Nos negócios de Portugal, o retalhista ampliou os ganhos em 36,7% para 24,6 milhões de euros - 12% dos lucros globais.

O El Corte Inglés renova agora o quadro de executivos. A primeira assembleia de acionistas do grupo espanhol sob a presidência de Jesús Nuño de la Rosa realizou-se este domingo, reintegrando na administração uma representante da holding familiar Ceslar, Carlota Areces, expulsa em 2016 por desacordo com a compra de 10% dos armazéns por Abdullah bin Nasser bin Khalifa Al Thani, primeiro-ministro do Qatar. Para o órgão entrou também como independente Fernando Becker, antigo executivo da Iberdrola e ex-membro do Senado espanhol pelo Partido Popular na década de 1990.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.