El Corte Inglés. Guerra de heranças termina com acordo de 8 milhões

Ex-presidente Dimas Gimeno saiu pelo próprio pé das últimas funções que ocupava na administração do grupo de armazéns.

É o fim de um prolongado conflito de heranças e de lideranças naquele que é o maior retalhista europeu em volume de vendas. O ex-presidente do espanhol El Corte Inglés vai receber oito milhões num acordo para deixar a administração do grupo, avança este domingo o El País. O entendimento foi alcançado ao fim do dia de ontem, pondo termo a um conflito entre Dimas Gimeno e as acionistas com o controlo dos armazéns, suas primas, Marta e Cristina Álvarez Guil.

O diário espanhol escreve que Dimas Gimeno aceitou sair pelo próprio pé, e antes de uma expulsão iminente, do grupo que em Portugal tem centros comerciais em Lisboa e Vila Nova de Gaia. O acordo foi negociado e aceite pelo conselho de administração do El Corte Inglés este sábado depois de Gimenos ter sido destituído do cargo de presidente em junho. O empresário manteve no entanto as funções não executivas que ocupava desde 2010.

O valor do acordo para o afastamento não foi anunciado pelas partes, mas o El País avança o montante de oito milhões da compensação que era reclamada pelo empresário pelas funções executivas ocupadas ao longo dos anos no grupo. O diário cita fontes próximas de Dimas Gimeno segundo as quais a decisão de avançar para a saída teve em conta a dimensão pública que o conflito estava a tomar e receios de prejudicar a imagem do El Corte Inglés. O afastamento do empresário da presidência em junho foi sustentado em oito votos favoráveis da administração e uma abstenção, e com críticas à estratégia digital que estava a seguir no El Corte Inglés. À semelhança dos restantes armazéns tradicionais, o grupo espanhol tem enfrentado forte concorrência do retalho online. Apesar disso, o grupo tem evidenciado bons resultados. O relatório do último ano do El Corte Inglés deu conta de um aumento de 25% nos lucros para 202 milhões de euros. Nos negócios de Portugal, o retalhista ampliou os ganhos em 36,7% para 24,6 milhões de euros - 12% dos lucros globais.

O El Corte Inglés renova agora o quadro de executivos. A primeira assembleia de acionistas do grupo espanhol sob a presidência de Jesús Nuño de la Rosa realizou-se este domingo, reintegrando na administração uma representante da holding familiar Ceslar, Carlota Areces, expulsa em 2016 por desacordo com a compra de 10% dos armazéns por Abdullah bin Nasser bin Khalifa Al Thani, primeiro-ministro do Qatar. Para o órgão entrou também como independente Fernando Becker, antigo executivo da Iberdrola e ex-membro do Senado espanhol pelo Partido Popular na década de 1990.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.