Engenharia portuguesa apoia construção do maior telescópio do mundo

O projeto do edifício que vai prestar apoio técnico à construção do novo telescópio da ESO - Extremely Large Telescope (ELT) terá mãos portuguesas.

A empresa de engenharia portuguesa Quadrante será a responsável pelos projetos de arquitetura e pela estrutura do novo edifício de apoio à construção daquele que será o maior telescópio do mundo, projetado pelo European Southern Observatory (ESO). O telescópio, desginado Extremely Large Telescope (ETL) vai ficar estacionado no deserto do Paranal, a norte do Chile. O edifício projeto pela empresa portuguesa servirá para o tratamento e limpeza das lentes do novo telescópio.

"[Este projeto] é uma oportunidade de promovermos a engenharia portuguesa e de nos associarmos à vanguarda da investigação em astrofísica. A experiência do Grupo Quadrante é fundamental para a realização de projetos com esta envergadura, combinando a multidisciplinaridade com conhecimento, para criar valor na parceria que desenvolvemos com os nossos clientes", frisa Nuno Martins, administrador e responsável pela área de Industria e Energia do grupo Quadrante.

O observatório Extremely Large Telescope (ELT), é um dos dispositivos mais importantes da área da astronomia terrestre. Quando construído, vai permitir um avanço no conhecimento na astrofísica em áreas como o estudo detalhado de planetas extrasolares, os primeiros objetos do Universo, buracos negros supermassivos e a natureza e distribuição da matéria escura e energia escura, explica o portal oficial do Observatório Europeu.

Para além do desenvolvimento dos projetos de Engenharia, a empresa portuguesa foi também responsável pela coordenação e integração de todo o processo operacional, tendo os projetos de todas as especialidades sido desenvolvidas em BIM (Building Information Modeling). O modelo utilizado funcionará como suporte à preparação de obra pelo empreiteiro e também à futura operação do telescópio.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.