Empregados de limpeza já ganham ao metro quadrado e há quem pague 16 euros à hora

Grande procura e mão-de-obra escassa aumenta preços de limpeza de apartamentos turísticos

O boom do turismo, com a multiplicação de casas em alojamento local, está a fazer disparar os preços da mão-de-obra na limpeza dos apartamentos turísticos. Num negócio onde a arrumação e a limpeza funcionam como o primeiro cartão-de-visita, arranjar quem faça bem este trabalho é cada vez mais caro. Há já quem só consiga arranjar trabalhadores a pagar 14 euros à hora, o dobro do preço dos anos de crise, e, no Algarve e em Lisboa, começa-se a cobrar não pelo tempo mas pelo metro quadrado dos apartamentos.

Nuno Mateus e a mulher têm as horas dos check-in e check out dos seis apartamentos e duas moradias que gerem no Algarve (Albufeira) coordenadas de forma a conseguirem tratar eles próprios das limpezas e da receção dos hóspedes. Mas nem sempre conseguem chegar a tempo a todo o lado. A solução passa por recorrer à bolsa de contactos que têm e encontrar alguém que os substitua. Se nos anos da crise conseguiam pagar entre 8 e 10 euros à hora, "hoje já ninguém trabalha por menos de 12 euros e já há quem peça 15 e 16 euros", contou Nuno Mateus ao DN/Dinheiro Vivo.

Há quem tenha mais "sorte" e "ainda consiga, mesmo no Algarve, encontrar quem faça a limpeza por valores um pouco mais baixos, como mostram os comentários dos que decidiram participar numa pequena consulta sobre preços lançada no grupo do Facebook Proprietários do Alojamento Local. Ainda assim, os valores praticados são suficientes para que, assinala Nuno Mateus, quem, durante o inverno, ganha 40 dias por ano na agricultura se vire para este setor nos meses em que a procura dos turistas se multiplica.

Em Lisboa, os preços não dispararam tanto (nos comentários há muitos a falar de 8 euros/hora), mas o cenário é idêntico. "O paradigma mudou completamente nestes últimos anos", garante António Nobre, que começou no alojamento local há seis anos, com um apartamento próprio e que hoje tem 15 a seu cargo. Podia crescer e aumentar o número mas não quer, nem pode. Sabendo que a "a limpeza é a primeira coisa para que os clientes olham quando entram numa casa" - e que deste primeiro olhar pode resultar um comentário mais ou menos positivo que, por sua vez, desce ou promove a visibilidade de um alojamento local nos sites de reserva -, António Nobre decidiu há um par de anos criar uma empresa e ter os seus próprios empregados.

Como "neste momento cada um pede o que lhe apetece e há já quem cobre ao metro quadrado", ter trabalhadores próprios (um a tempo inteiro e outro em part-time) está a revelar-se uma opção cada vez mais acertada. Mas a dificuldade em arranjar mais pessoas, tem-lhe feito recusar novos pedidos para "tomar conta" de casas. Luís Fernandes, com oito apartamentos a seu cargo, tem contornado esta inflação de preços recorrendo a jovens estudantes, que veem aqui uma forma de ganhar uns euros extra. "Mas é preciso ensiná-los e dizer bem o que é necessário." Ou a coisa corre mal.

Lei da oferta e procura

Eduardo Miranda, presidente da Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP), diz que não se pode falar de um disparar de preços, mas reconhece que o setor está a sentir na pele a lei da oferta e da procura. "O mercado da limpeza está a tornar-se mais profissional, com a criação de empresas, mas há uma falta enorme de pessoas", precisa. O motivo é simples: ao contrário das limpezas domésticas ou mesmo em empresas, as do alojamento local exigem uma flexibilidade de horários que nem toda a gente está disposta a dar. Ora, sendo a limpeza "fundamental para garantir o negócio", a falta de quem queira trabalhar torna-se crítica e faz que "haja uma disputa pelas empresas e pessoas que prestam o melhor serviço". Daqui à subida de preços é um pulinho. "É normal que perante tanta procura, os preços aumentem um pouco."

Uma das soluções usadas por alguns proprietários é recorrer a pessoas que moram na zona onde os apartamentos estão localizados. "Nos bairros, sobretudo nas zonas históricas de Lisboa e Porto, há moradores que aceitam fazer umas horas extra ao final do dia limpando apartamentos próximos das suas casas e com isso ter aqui um rendimento extra."

Ainda que este negócio seja, por enquanto, dominado por particulares que encontram neste trabalho uma forma de garantir o rendimento (ou parte dele), o certo é que está também a crescer o número de empresas vocacionadas para este tipo de serviço. E a prática não é cobrar à hora, mas por tipologia de apartamento. Claro que, se o tamanho do T1 furar a média, o preço tem de ser acertado para cima.

A associação que em Portugal representa a maior parte das empresas de limpeza (que empregam cem mil pessoas) reconhece que o mercado doméstico/turístico não entrou ainda em força no seu radar, mas é um nicho para o qual devem começar a olhar. Até porque é uma alternativa aos setores com os quais fazem habitualmente contratos, nomeadamente serviços e indústrias, em que se trabalha com valores que não permitem pagar além do salário mínimo, sendo difícil reter os trabalhadores.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.