Desemprego manteve-se em 6,6% em outubro. Taxa mais baixa desde 2002

Taxa de desemprego está no nível mais baixo desde há 17 anos.

A taxa de desemprego situou-se em outubro em 6,6%, no mesmo nível do mês de setembro, e abaixo da estimativa de 6,7% apontada pelo INE em novembro. Em termos homólogos, o desemprego recuou em 1,8 pontos percentuais, com a taxa mais baixa observada desde setembro de 2002.

A taxa de desemprego jovem (15 a 24 anos), no entanto, conheceu em outubro uma subida para 21,8%, mais 1,4 pontos percentuais em relação ao mês anterior.

Apesar da manutenção da taxa de desemprego, o número total de desempregados registou um aumento em outubro. Segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística, o aumento de desempregados foi de 0,4%, com mais 1400 indivíduos. Em outubro, a população desempregada foi estimada em 342,4 mil pessoas.

Mas, também a população empregada conheceu uma subida, de 0,1%, com mais 5300 indivíduos integrados no mercado de trabalho. O Instituto Nacional de Estatística estima que a taxa de desemprego se tenha mantido em 6,6% em novembro, fazendo conta a 343 mil desempregados.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O populismo identitário

O tema da coincidência entre Nação-Estado foi intencionalmente considerado um princípio da organização mundial quando o presidente Wilson conseguiu a sua inclusão no estatuto da Sociedade das Nações (SdN), no fim da guerra de 1914-1918, organismo em que depois os EUA decidiram não entrar. Acontece que nação é um termo que, exprimindo de regra, em primeiro lugar, uma definição cultural (costumes, tradições, valores), tem vocação para possuir um território e uma soberania, mas o princípio da SdN não impediu a existência, hoje extinta, da unidade checoslovaca, nem que, atualmente, o Brexit advirta que um eventual problema futuro para o Reino Unido está no facto de não ser um Estado-Nação, e identidades políticas, provavelmente duas ou mais nações, suas componentes, são europeístas.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.