Acima de lixo. DBRS mantém 'rating' de Portugal

A agência de notação financeira DBRS anunciou hoje que manteve o 'rating' da dívida pública portuguesa de longo prazo em 'BBB' (baixo), um nível acima de 'lixo', com perspetiva estável.

Desde maio de 2014 que o rating atribuído pela agência canadiana a Portugal é de 'BBB' (low), com perspetiva estável, o que significa que a DBRS é a única a atribuir uma nota de investimento à dívida pública portuguesa, enquanto as restantes três maiores entidades de 'rating' consideram que Portugal ainda está num grau de 'lixo'.

Este 'rating' atribuído pela DBRS é relevante porque a notação de investimento por pelo menos uma das maiores agências de 'rating' é exigida para que o Banco Central Europeu (BCE) continue a comprar dívida pública em Portugal e a financiar a banca nacional.

Depois do aviso do FMI, a 01 de abril, a DBRS chegou a admitir cortar o 'rating' atribuído a Portugal, caso se verifique um "enfraquecer do compromisso político perante políticas económicas sustentáveis", a reversão das reformas estruturais ou caso a "incerteza política se torne persistente".

Anteriormente, em fevereiro, após a divulgação da proposta do Orçamento do Estado para 2016 (OE2016), a DBRS disse estar "confortável" com o 'rating' atribuído a Portugal, que considera ser "apropriado", alertando, no entanto, que esta avaliação depende do desempenho orçamental, do crescimento e do sucesso da política monetária do BCE.

Na última revisão feita pela agência canadiana a Portugal, que aconteceu em novembro, a DBRS manteve a nota e a perspetiva estável, como tem feito desde maio de 2014, considerando que os riscos que poderiam levar a uma corte no 'rating' estavam "largamente equilibrados".

Entre os riscos apontados estavam o de "derrapagem [orçamental] e outros desafios para as finanças públicas, nomeadamente em relação ao ainda alto nível de dívida pública".

Na quinta-feira, a presidente da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP), Cristina Casalinho, reiterou que o país está confiante na manutenção do 'rating' atribuído pelaDBRS.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.