Contratos de telemóvel sem fidelização podem custar o dobro

Grande maioria dos clientes continua a assinar contratos de fidelização com as operadoras e apenas um número reduzido não se encontra abrangido pela obrigatoriedade

Analisando os preços das operadoras de telecomunicações é possível concluir que, em alguns casos, e comparando os preços dos contratos que têm fidelização com os que não têm fidelização, os preços duplicam para estes últimos. A análise é do Jornal de Notícias que revela que mais de ano meio após a entrada em vigor das alterações à Lei das Comunicações Eletrónicas, apenas 9% dos clientes não tem contrato com fidelização.

Analisando três operadoras, Meo, Nos e Vodafone, é possível ver que alguns valores basicamente duplicam de um lado para o outro. Na Meo, por exemplo, um contrato de 24 meses com fidelização custa 59,99 por mês e adesão grátis. No entanto, um contrato sem fidelização já envolve o pagamento de 69,99 por mês e a adesão custa 350. Este último valor é o dobro do valor de adesão para um contrato fidelizado de 12 meses.

Relativamente à Vodafone, a situação é parecida no que toca à adesão (150 para 270, continuando nos 0 no período 24 meses), mas a mensalidade torna-se bastante mais cara. Assim, num contrato de 12 meses com fidelização o valor mensal é de 59,90, que salta para 118,90 no contrato sem fidelização.

Na Nos, um contrato de 24 meses com fidelização custa 59,99 euros, e um sem fidelização custa 69,99. Na mesma comparação, os 0 euros de adesão nos 24 meses passam a 350 nos contratos sem obrigatoriedade. O valor representa mais do dobro do valor dos contratos a 12 meses com fidelização - 170.

O JN refere ainda que, segundo dados da Anacom (Autoridade Nacional de Comunicações) de fevereiro de 2017, 71% dos clientes estão fidelizados e 20% já "ultrapassaram" mesmo esse período obrigatório.

PS quer simplificar. BE, Verdes e PAN querem reduzir fidelização

Este tema regressa amanhã ao Parlamento, com o PAN a acusar as empresas de terem "encarecido brutalmente as opções sem fidelização", fazendo com que estas ofertas não sejam uma verdadeira opção para os consumidores.

Bloco de Esquerda, Verdes e PAN querem também reduzir os períodos de fidelização. O BE quer que o máximo seja 12 meses - atualmente são 24 - e o Os Verdes e o PAN pretendem um máximo de seis meses de fidelização.

O PS quer ainda uma ficha "simplificada", diz o JN, que informe melhor os clientes do que estão a adquirir e das consequências caso queiram sair do contrato.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.