Contratos de telemóvel sem fidelização podem custar o dobro

Grande maioria dos clientes continua a assinar contratos de fidelização com as operadoras e apenas um número reduzido não se encontra abrangido pela obrigatoriedade

Analisando os preços das operadoras de telecomunicações é possível concluir que, em alguns casos, e comparando os preços dos contratos que têm fidelização com os que não têm fidelização, os preços duplicam para estes últimos. A análise é do Jornal de Notícias que revela que mais de ano meio após a entrada em vigor das alterações à Lei das Comunicações Eletrónicas, apenas 9% dos clientes não tem contrato com fidelização.

Analisando três operadoras, Meo, Nos e Vodafone, é possível ver que alguns valores basicamente duplicam de um lado para o outro. Na Meo, por exemplo, um contrato de 24 meses com fidelização custa 59,99 por mês e adesão grátis. No entanto, um contrato sem fidelização já envolve o pagamento de 69,99 por mês e a adesão custa 350. Este último valor é o dobro do valor de adesão para um contrato fidelizado de 12 meses.

Relativamente à Vodafone, a situação é parecida no que toca à adesão (150 para 270, continuando nos 0 no período 24 meses), mas a mensalidade torna-se bastante mais cara. Assim, num contrato de 12 meses com fidelização o valor mensal é de 59,90, que salta para 118,90 no contrato sem fidelização.

Na Nos, um contrato de 24 meses com fidelização custa 59,99 euros, e um sem fidelização custa 69,99. Na mesma comparação, os 0 euros de adesão nos 24 meses passam a 350 nos contratos sem obrigatoriedade. O valor representa mais do dobro do valor dos contratos a 12 meses com fidelização - 170.

O JN refere ainda que, segundo dados da Anacom (Autoridade Nacional de Comunicações) de fevereiro de 2017, 71% dos clientes estão fidelizados e 20% já "ultrapassaram" mesmo esse período obrigatório.

PS quer simplificar. BE, Verdes e PAN querem reduzir fidelização

Este tema regressa amanhã ao Parlamento, com o PAN a acusar as empresas de terem "encarecido brutalmente as opções sem fidelização", fazendo com que estas ofertas não sejam uma verdadeira opção para os consumidores.

Bloco de Esquerda, Verdes e PAN querem também reduzir os períodos de fidelização. O BE quer que o máximo seja 12 meses - atualmente são 24 - e o Os Verdes e o PAN pretendem um máximo de seis meses de fidelização.

O PS quer ainda uma ficha "simplificada", diz o JN, que informe melhor os clientes do que estão a adquirir e das consequências caso queiram sair do contrato.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.