Consumo de eletricidade cai 1,4% em outubro

As produções hídrica e eólica tiverem em outubro, pela primeira vez este ano, afluências abaixo dos valores médios

O consumo de eletricidade caiu 1,4% em outubro face ao mês homólogo de 2015, mas a evolução continua a ser positiva com a correção do efeito da temperatura e do número de dias úteis, segundo a REN.

Segundo os dados da REN - Redes Energéticas Nacionais, com a correção dos efeitos da temperatura e do número de dias úteis, que têm impacto no consumo de eletricidade, em outubro houve um aumento de 0,8% face ao período homólogo, mantendo a tendência positiva verificada nos últimos meses.

Nos primeiros dez meses, o consumo regista uma variação anual positiva em 0,1% ou em 0,5% com a correção de temperatura e de dias úteis.

Em outubro, a produção hídrica e eólica tiveram pela primeira vez este ano afluências abaixo dos valores médios.

A produção a partir de fontes renováveis abasteceu em outubro 41% do consumo nacional e o saldo de trocas com o estrangeiro foi ligeiramente importador, sendo o primeiro mês, este ano, em que o saldo não é exportador.

No acumulado dos dez meses do ano, a produção renovável abasteceu 59% do consumo, repartindo-se pela hidráulica com 31%, eólica 22%, a biomassa 5% e fotovoltaica 1,5%.

A produção não renovável abasteceu 41% do consumo, repartindo-se de forma semelhante pelo carvão e gás natural.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?