Companhias aéreas contratam em força em Portugal

Só a TAP prevê contratar mais 700 pessoas neste ano. A Emirates e a Ryanair realizaram nesta semana sessões de recrutamento

Vontade de mudar de vida. Ter um trabalho em que posso viajar, conhecer novas culturas e ter um salário relativamente bom. Foram estas as razões que levaram Maria (nome fictício) a apresentar-se neste sábado no open day que a Emirates realizou em Lisboa, destinado a contratar tripulantes.

E centenas de outros jovens podem realizar o mesmo sonho. As companhias aéreas, à boleia do boom turismo, estão em força no mercado à procura de profissionais que lhes permitam oferecer novos destinos e reforçar as rotas com maior procura.

Só a TAP pretende contratar 700 pessoas neste ano para várias funções, incluindo tripulantes de cabina e pilotos. Na sexta-feira, a Ryanair já tinha realizado no Porto a última ação de recrutamento, de uma série de várias que fez por todo o país, para tripulantes de cabina. A Emirates, uma companhia aérea com sede no Dubai e que conta já com com 550 portugueses nos seus quadros, também procura tripulantes de cabina.

"Esta estratégia de recrutamento traduz o reflexo do que tem sido o crescimento da TAP, com aumento de frota e lançamento de novas rotas", reconhece fonte oficial da TAP. A companhia de bandeira nacional contratou 1500 pessoas nos últimos três anos. E quer reforçar neste ano em "áreas de suporte ao negócio, mas sobretudo para áreas técnicas e de voo, como tripulantes, pilotos, técnicos de manutenção de aeronaves", explica. A TAP tinha anunciado recentemente que pretendia reforçar os seus quadros com cerca de 170 pilotos e 300 tripulantes.

A easyJet, que tem uma equipa em Portugal de 349 pessoas, das quais 235 portuguesas, recrutou 193 funcionários em Portugal nos últimos três anos. No início do mês, veio ao Porto à procura de comandantes experientes com quatro mil horas de voo, com ou sem experiência de comando. A companhia aérea low-cost desenvolve estas ações "porque, além de termos bases em Lisboa e no Porto, os portugueses são profissionais exímios", diz José Lopes, diretor da empresa. Admite continuar a contratar em Portugal.

Com o turismo a levantar voo para números recorde, as companhias aéreas não querem perder o acesso a uma fonte de receitas em expansão. O turismo cresceu 6% no ano passado, de acordo com os dados da Organização Mundial do Turismo; e a organização das Nações Unidas prevê que neste ano vá aumentar mais 3% a 4%.

Em Portugal, o número de passageiros no transporte aéreo bateu o recorde de 52,8 milhões em 2017, mais 16%. Dos quais só 26,67 milhões em Lisboa, superando as metas de capacidade do aeroporto.

Petróleo dita travagem a fundo?

No ar há, no entanto, um novo desafio: os preços do petróleo estão a subir, aproximando-se dos 80 dólares o barril, agravando a fatura dos combustíveis. "O combustível é um dos maiores fatores de custos na aviação. Obviamente, uma subida do preço do petróleo como aquela a que assistimos tem impacto muito forte nas contas de exploração da TAP." O negócio da aviação gerou à companhia, no ano passado, lucros de 100,4 milhões de euros, bem acima dos 33,5 milhões de 2016.

A modernização da frota é uma das respostas para fazer face a este cenário. "No total, serão 71 novos aviões que chegarão à TAP até 2025, bastante mais eficientes em termos de consumo de combustível. O efeito desta renovação não é imediato, pelo que é necessário ganhar eficiências e fazer mais por menos em todas as áreas da companhia, de modo a compensar a atual e eventuais futuras subidas do preço dos combustíveis". Ainda há dias Michael O"Leary, presidente executivo da irlandesa Ryanair, em entrevista à CNBC, pintou um cenário cinzento. "Claramente, o petróleo a 80 dólares por barril vai provocar vítimas na Europa neste inverno."

A easyJet não está tão pessimista. "Para uma companhia financeiramente sólida e robusta como a easyJet, a subida do preço do petróleo não terá um grande impacto na operação. A proteção proveniente da nossa estratégia de hedging permite-nos repassar esse benefício para os nossos clientes", assegura José Lopes.

A aviação comercial está a viver um bom momento e tanto a TAP como a easyJet assumem que não pretendem travar as contratações. "A TAP tem uma estratégia de crescimento em termos de frota e de novas rotas e voos, e essa expansão não é possível sem aumentar também o número de tripulantes e outros quadros ao serviço da empresa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.