Chave móvel digital já chegou às empresas

Os portugueses podem agora utilizar a chave móvel digital nos sites das empresas. Mudanças foram anunciadas na conferência MUDA, esta manhã no Palácio Foz

A manhã foi produtiva e trouxe resultados concretos. Na conferência MUDA, que aconteceu esta manhã no Palácio Foz, as empresas fundadoras do movimento pela digitalização anunciam em primeira mão a disponibilização da Chave Móvel Digital nos seus sites. EDP, MEO e Millennium BCP são as pioneiras. Numa conferência organizada pela AMA - Agência para a Modernização Administrativa em parceria com o MUDA - Movimento pela Utilização Digital Ativa, que juntou especialistas do setor público e do privado para discutir o impacto da adoção da Chave Móvel Digital pelos consumidores, pelas empresas e pelo Estado e em que foram revelados os resultados do estudo da Porto Business School para o MUDA - incluindo o impacto económico e os fatores de sucesso para Portugal se tornar num País "Digital by Default" -, Graça Fonseca, secretária de Estado Adjunta e da Modernização Administrativa saudou esta evolução organizada pela AMA - Agência para a Modernização Administrativa em parceria com o MUDA - Movimento pela Utilização Digital Ativa.

A Conferência Chave Móvel Digital: Consumidores, Empresas e Estado organizada pela AMA - Agência para a Modernização Administrativa em parceria com o MUDA - Movimento pela Utilização Digital Ativa reuniu especialistas do setor público e do privado para discutir o impacto da adoção da Chave Móvel Digital pelos consumidores, pelas empresas e pelo Estado. A Chave Móvel Digital (CMD) é um meio simples e seguro de autenticação dos cidadãos nos sites da Administração Pública. É para todos os efeitos o Cartão do Cidadão em formato mobile e tenderá a tornar-se no meio de autenticação por defeito em Portugal. O Estado Português tem vindo a fazer a sua implementação nos sites da Administração Pública, mas a grande novidade agora apresentada é a possibilidade de poder ser utilizada também como sistema de autenticação nos sites das empresas.

A CMD permite, não apenas a realização de inúmeros serviços online − para cidadãos e empresas -, mas também a assinatura de documentos PDF, entre outros formatos. A assinatura com recurso ao Certificado de Atributos Profissionais (SCAP) também já é possível através da CMD, permitindo assim certificar qualidades e poderes do cidadão, em contexto profissional ou empresarial.

Nesta conferência foram apresentadas em primeira mão as implementações da Chave Móvel Digital em 3 das maiores empresas em Portugal: EDP, MEO e Millennium BCP.

Para a EDP Comercial, a Chave Móvel Digital é, além do caráter pioneiro, uma forma de colocar à disposição dos cidadãos um meio alternativo para se autenticarem e acederem a serviços de entidades públicas e privadas. "Proporcionar uma vida melhor aos nossos clientes: esta é a nossa motivação para inovar nos serviços que disponibilizamos. A Chave Móvel Digital facilita a interação com a nossa área de cliente e, simultaneamente, promove uma cidadania digital mais ativa", afirma Gustavo Monteiro, administrador da EDP Comercial.

De acordo com João Epifânio, chief sales officer B2C da Altice Portugal, "a Altice Portugal, membro fundador do MUDA - Movimento pela Utilização Digital Ativa - está comprometida no desenvolvimento de uma sociedade mais digital e inclusiva e empenhada no aumento da utilização pelos portugueses nos serviços digitais e vê a Chave Digital Móvel (CMD) como uma ferramenta inovadora que irá ter um papel fundamental para a prossecução destes objetivos. Nesse sentido, aceitamos na primeira hora o desafio do MUDA para disponibilizar a Chave Móvel Digital como sistema de autenticação nos nossos sites, tendo o MEO sido o 1º website a nível a nacional a disponibilizar o acesso através da CMD, bem como em operações onde seja necessária uma assinatura digital certificada de documentos. Acreditamos que a Chave Móvel Digital irá potenciar a digitalização da vida das pessoas e das empresas e queremos fazer parte deste movimento."

"O Millennium bcp posiciona-se como o 1º banco a disponibilizar uma nova forma de acesso ao internet banking através da Chave Móvel Digital e assim contribuir para facilitar o dia-a-dia dos nossos Clientes," afirma Rosa Santa Bárbara, diretora coordenadora da Direção Banca Direta do Millennium bcp. "Estes passam a utilizar a mesmo forma de autenticação com que acedem aos serviços do Estado, sem necessidade de decorar diferentes passwords. Mas o desafio é maior pois poderemos, a curto prazo, oferecer aos cidadãos processos totalmente digitalizados, com forte impacto na satisfação dos nossos clientes e no aumento da cidadania digital. Com mais este passo continuamos a avançar na nossa jornada de inovação."

MUDA em debate

O evento contou na abertura com a presença da Secretária de Estado Adjunta e da Modernização Administrativa, Graça Fonseca e de Alexandre Nilo Fonseca, Diretor Executivo do MUDA.

Houve ainda tempo para dois painéis de debate que visaram dar a conhecer os casos de sucesso e evolução futura das possíveis aplicações do serviço Chave Móvel Digital (CMD) na Administração Pública e nas Empresas. O painel inicial contou com a presença de Pedro Silva Dias, presidente da Agência para a Modernização Administrativa; Henrique Martins, presidente da SPMS; Helena Monteiro, professora do ISCSP-UL; e Pedro Tavares, diretor de Comunicação do Ministério da Justiça. Já o painel das empresas contou com a presença de João Epifânio, administrador da MEO/Altice; de Rosa Santa Bárbara, diretora coordenadora de Canais Digitais do Millennium BCP; e de Gustavo Monteiro, administrador da EDP Comercial.

Foi ainda apresentado o estudo desenvolvido pela Porto Business School (PBS) denominado "Digital by default: Impacto Económico e Fatores de Sucesso" que entre outras conclusões, permite estimar as poupanças para o Estado português, pela digitalização dos seus serviços, em 400 milhões de euros/ano. O estudo foi apresentado por Rui Coutinho, diretor executivo do Center for Business Innovation da PBS.

A Chave Móvel Digital

É a forma simples e segura de autenticação em vários sites públicos e privados. Com um simples PIN de 4 a 8 dígitos, permite aceder online a uma grande diversidade de portais e de serviços digitais. Possibilita também a assinatura de documentos eletrónicos, seja simples ou qualificada.

O MUDA

O Movimento pela Utilização Digital Ativa ‒MUDA é uma iniciativa portuguesa promovida por um conjunto de empresas relevantes dos vários setores da economia, por universidades e pelo Governo português. Em conjunto, estas entidades assumem o compromisso de incentivar a participação dos portugueses no espaço digital e de maximizar os benefícios associados aos serviços digitais, disponibilizados por empresas e pelo Estado, contribuindo para um país mais avançado, inclusivo e participativo. Com a ambição de tornar Portugal uma sociedade mais desenvolvida, com cidadania ativa, inclusiva e participativa, o MUDA pretende contribuir para reduzir o número de pessoas que não usam a Internet e aumentar o número de utilizadores com competências avançadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...