Casas a preços de Paris já afastam estrangeiros de Lisboa

Trunfos da capital já não chegam para compensar subida de preços. Ritmo de venda está mais lento, dizem profissionais

Comprar casa em Portugal está cada vez mais caro e a escalada dos preços já nem sequer passa ao lado dos estrangeiros. A procura é ainda elevada, mas os investidores começam a pensar duas vezes antes de fazer as malas e rumar a Portugal. "Temos tido casos de clientes estrangeiros que depois de uma semana de visitas dizem: lamento mas, neste momento, em Portugal, já não vamos investir", conta ao DN/Dinheiro Vivo Miguel Tilli, fundador da Home Lovers, a imobiliária que nasceu no Facebook e, orgulhosamente, não tem nem planeia abrir lojas físicas.

No ano passado, uma em cada cinco casas vendidas em Portugal foi parar a mãos estrangeiras. Brasileiros, mas sobretudo franceses, foram os que mais procuraram Portugal para viver. Têm chegado atraídos pelo sol e, sobretudo, pela segurança, e encontravam no preço dos imóveis um trunfo que convencia a ficar. Agora, o preço deixou de ser argumento, até porque já se equipara em algumas zonas de Lisboa e do Porto aos das grandes capitais europeias conhecidas pelas casas a preço de luxo.

"Muito recentemente um cliente disse-me que já não queria investir em Lisboa e que ia antes comprar casa em Paris", acrescenta Tilli, assumindo que "temos zonas de Lisboa que começam a ser equiparadas aos 11 mil, 12 mil euros por metro quadrado das zonas mais chiques de Paris, onde o preço médio no primeiro trimestre se fixou nos 10 500 euros. Estamos a atingir valores que nunca pensámos há ano e meio", confessa.

E as casas começam também a demorar mais tempo a vender. Nuno Gomes, da Remax Prestige, admite que a subida dos preços já se está a refletir no tempo que os imóveis demoram a sair. "Já tivemos captações de dois dias, mas atualmente já são precisos um a dois meses", refere, admitindo algum arrefecimento da procura depois de uma saciação imediata de "quem tinha dinheiro para investir e não encontrava nos investimentos financeiros a solução ideal".

Ainda assim, os tempos para venda de um imóvel mantêm-se longe dos registados no pico da crise. Com a reabilitação de imóveis em alta, o tempo médio de venda de um imóvel foi, no ano passado, de seis meses, enquanto em 2014 era preciso o dobro do tempo.

Miguel Tilli rejeita a existência de uma bolha imobiliária, mas lembra que a escassez da oferta e contínua escalada de preços possa trazer a temida crise "dentro de um ano e meio". Porquê? "Quem comprar agora e não fizer os seus cálculos com a devida precaução poderá daqui a um ou dois anos ter problemas."

A APEMIP, associação que representa os profissionais da mediação imobiliária, estima que o mercado possa continuar a crescer durante os próximos dois anos. Mas Luís Lima, o presidente, entende que o ritmo de crescimento das vendas terá de abrandar - no ano passado o número de vendas cresceu mais de 20%; neste ano a meta está fixada nos 30% - para que a sustentabilidade do mercado não seja ameaçada.

"A história demonstra que cada vez que existe um período de maior euforia vai também existir um momento em que isto vai mudar", lembra, por sua vez, Eduardo Garcia Costa, diretor-geral da KW Portugal, que no ano passado viu duplicar o número de casas vendidas, obtendo 1200 milhões de euros em transações. "Sabemos que os mercados são cíclicos e as competências que se têm de passar aos colaboradores e clientes proprietários vão depender desta fase."

Afasta, ainda assim, um travão completo no mercado. "A procura nunca desaparece. Estamos num país onde o crédito à habitação praticamente desapareceu e ainda assim não deixaram de se fazer transações imobiliárias", recorda. E agora o crédito até tem estado a crescer à boleia das taxas de juro historicamente baixas e da guerra de spreads entre os bancos.

Miguel Tilli estima que neste ano a procura se mantenha em níveis idênticos aos do ano passado, apesar de "uma forte aposta em motores de busca internacionais" para aproveitar o recente interesse no país. Na Home Lovers, as vendas a não residentes valem 30%. Mas os portugueses são a aposta segura. "Há imobiliárias que estão a especializar-se apenas em clientes estrangeiros e eu diria que são mercenários, porque no dia em que a agulha virar..."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.