Carga fiscal subiu para 37% do PIB em 2017

A carga fiscal aumentou para 37% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano passado, face ao peso de 36,6% que tinha na economia em 2016, segundo números divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com o INE, o défice orçamental no conjunto de 2017 totalizou 3% do PIB, incluindo a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD). Excluindo esta operação, o défice teria sido de 0,9% do PIB.

O INE destaca os aumentos da receita dos impostos sobre a produção e importação (6,1%), nomeadamente o Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), das contribuições sociais (5,1%) e dos impostos sobre o rendimento e património (3,3%).

O aumento do peso dos impostos na economia deve-se sobretudo ao crescimento das receitas com impostos sobre a produção e importação (indiretos), que totalizaram 15% do PIB (mais 0,3 pontos percentuais do que em 2016), e da subida das receitas com contribuições sociais, que representaram 11,8% do PIB (mais 0,2 pontos).

Por outro lado, o peso das receitas com impostos sobre o rendimento e património (diretos) na economia diminuiu ligeiramente, de 10,3% do PIB em 2016 para 10,2% em 2017.

Assim, foram cobrados 71.446,4 milhões de euros em impostos e contribuições sociais: 19.714,6 milhões em impostos sobre o rendimento e património, 29.028 milhões de euros em impostos sobre a produção e importação e 22.704,2 milhões de euros em contribuições sociais.

A carga fiscal mede-se pelo valor total dos impostos e contribuições efetivas para a Segurança Social face ao PIB

Mesmo no caso de serem consideradas apenas as receitas com impostos - excluindo as contribuições sociais (o conceito de carga fiscal utilizado pela Comissão Europeia), o peso dos impostos na economia teria aumentado, de 25% para 25,2%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.