Candonga 4.0. Bilhetes de 7,5 euros da Web Summit à venda por 1000 na net

Venda de bilhetes na net está ao rubro. Organização garante que quem comprar por esta via não consegue entrar

Não são empreendedores mas têm olho para o negócio. O que compraram por sete euros e meio estão a vender por dez, por cem e até por mil. Nas páginas de compra e venda de bilhetes das redes sociais, multiplicam-se por estes dias as ofertas para a Web Summit. Na avalancha de anúncios, há um fator comum: chama-se especulação. "Tenho cupão da Web Summit e estou a vender porque preciso do dinheiro", lê-se numa das publicações. O preço? 997 euros.

São poucos os anúncios com tantos detalhes, mas há quem admita que vende porque não poderá estar presente ou até quem prefira trocar uma entrada na cimeira por três bilhetes para o concerto de Shakira. Muitos dos anunciantes só revelam o preço por "mensagem privada", mas entre aqueles que estão visíveis, os valores são díspares. Um bilhete para um dia inteiro e com acesso a todos os palcos tanto pode custar 350 como mil euros.

A inflação de preços disparou na última semana após a organização ter disponibilizado dez mil bilhetes de meio-dia para jovens entre os 16 e os 23 anos, ao valor simbólico de sete euros e meio. Esgotaram em quatro dias e foram vendidos em massa nas redes sociais, tal é a ânsia de ver estrelas como Sara Sampaio ou "unicórnios" de mil milhões de dólares como a portuguesa Farfetch. Mas o acesso ao recinto não está garantido.

Os primeiros bilhetes para o evento, que arranca na segunda-feira, dia 6 de novembro, na Altice Arena e nos pavilhões da FIL, custavam 300 euros e esgotaram em novembro do ano passado. Desde então foi sempre a subir. Quem quiser comprar hoje uma entrada com tudo incluído terá de desembolsar 1500 euros. E terá de o fazer no próprio site da Web Summit.

Quem comprar bilhetes por outras vias não vai conseguir entrar no evento, garante a organização. "Independentemente de terem surgido mudanças nos planos de viagem ou de trabalho, será impossível revender um bilhete ou atribuí-lo a outra pessoa. Um bilhete revendido será considerado nulo", garantiu ao DN/Dinheiro Vivo fonte da Web Summit. Cada bilhete é pessoal e intransmissível, destaca, e a segurança estará reforçada. Quem não mostrar a identificação associada à compra do ingresso vai mesmo ficar à porta.

"A triagem é feita no ato da inscrição, com o preenchimento de um formulário, e à entrada da Web Summit, pelo que caso os dados da pessoa à entrada não sejam os mesmos aquando da inscrição, essa pessoa não terá acesso ao evento", acrescenta o Ministério da Economia, que está a acompanhar a organização da cimeira. O ministério liderado por Caldeira Cabral explica ainda que "já foi assegurado para este ano um reforço na acreditação do evento, bem como algumas alterações para facilitar e agilizar o processo de entrada".

Talvez não, talvez sim. Quem vende, no entanto, assegura que o bilhete em "2.ª mão" funciona mesmo. "Comprei os bilhetes no início do ano como unassigned tickets [bilhetes sem nome] 2 por 1 na chamada early call. Tinha intenção de ir mas não sabia com quem. Para aproveitar os bilhetes deixei os nomes em branco", conta ao DN/Dinheiro Vivo uma das pessoas que está a vender o seu bilhete, lembrando que "para poder entrar é necessário fornecer o e-mail/dados das pessoas que vão", mas como os nomes ainda não foram comunicados "pode oferecê-los ou vender a quem quiser".

As plataformas de classificados online, onde todos os dias surgem novas propostas de venda de bilhetes, também estão atentas ao mercado paralelo. Ao fim de poucas horas os anúncios desaparecem, e não é porque o negócio foi fechado. "O OLX tem vindo a apagar este tipo de anúncios", revela a empresa de classificados. A plataforma dispõe de "mecanismos de revisão dos anúncios para prevenção e deteção de fraudes, mas também para casos de anúncios que não estejam em conformidade com a lei", como é o caso. Entre os anunciantes, porém, a perceção é muito diferente. O DN/Dinheiro Vivo contactou vários vendedores de ingressos e a resposta foi invariavelmente a mesma. "O bilhete não tem nome e pode ser usado por qualquer pessoa."

A organização da Web Summit espera receber este ano 65 mil participantes no Parque das Nações, mais 15 mil face à edição do ano passado. Mas se o controlo das entradas for eficaz, há algumas centenas que vão ficar a ver "unicórnios" a passar ao longe.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.