Aviso do Bundesbank: Alemanha deve entrar em recessão até setembro

Banco central espera que crescimento fique este ano em 0,3%. Governo admite estímulos à economia com 50 mil milhões para gastar.

A economia alemã deverá continuar a recuar no atual trimestre, após uma contração trimestral do PIB em 0,1% até junho, e terminar o ano com um crescimento em 0,3%, admitiu esta segunda-feira o Bundesbank, o banco central alemão, no último boletim mensal de previsões.

A revisão em baixa das previsões na maior economia do euro acontece com as exportações e a produção industrial já em quebra num momento em que o governo alemão admitiu já a necessidade de avançar com estímulos em caso de crise. O ministro das Finanças, Olaf Scholz, sugeriu um valor de despesa que poderá chegar até 50 mil milhões de euros.

No relatório mensal, o Bundesbank corta por agora a previsão de crescimento para 2019 para os 0,3%, e antecipa uma expansão de 0,7% em 2020. Mas admite que não acautelam ainda completamente os riscos que se apresentam à Alemanha, a economia do euro mais penalizada pelas persistentes tensões comerciais entre China e Estados Unidos.

"Dado o estado cada vez mais frágil da economia global, a efetivação de um ou mais riscos poderia facilmente empurrar a economia para um cenário completamente diferente, no qual as revisões de algumas décimas de ponto percentual não serão suficientes", indica o relatório do banco central, citado pela imprensa internacional.

Além da quebra das exportações e na produção, já sentida no segundo trimestre, o Bundesbank alerta que também já estão a ser sentidos efeitos no mercado de trabalho, com um crescimento "consideravelmente mais lento" do emprego e abrandamento no crescimento dos salários.

Exclusivos