Bruxelas alerta. Salários públicos fazem derrapar défice de 2019

Missão de vigilância decorreu entre 4 e 12 de junho últimos, mas considera informação reunida posteriormente, até 23 de agosto.

Cerca de metade da derrapagem na meta do défice público esperada em 2019 - o governo diz que desequilíbrio fica em 0,2% do produto interno bruto (PIB), a Comissão Europeia (CE) vê 0,6% do PIB - é explicada por "pressões mais elevadas nas remunerações" dos funcionários públicos, diz Bruxelas na oitava avaliação de vigilância pós-programa de ajustamento de Portugal, divulgada esta terça-feira.

A CE considera que metade dessa diferença, o equivalente a 0,2% do PIB ou seja 400 milhões de euros, possa ser o valor do desvio entre aquilo que diz o governo no Programa de Estabilidade (PE) e o resultado das contas feitas em Bruxelas.

A missão europeia, feita em conjunto com o Banco Central Europeu, decorreu entre 4 e 12 de junho últimos, mas considera informação reunida posteriormente, até 23 de agosto, diz o novo estudo.

Estas considerações surgem numa altura em que aumenta a tensão entre governos e sindicatos relativamente aos salários e às progressões nas carreiras. A situação é particularmente tensa nos professores e pessoal da saúde.

Ainda esta terça-feira, a FESAP - Federação de Sindicatos de Administração Pública disse que irá pedir um aumento salarial de 3,5% para a função pública, esperando uma resposta do Governo. Sem este sinal, ameaça partir para a luta e não exclui a realização de uma greve ainda este ano.

O novo estudo da CE, reitera que, à luz do Pacto de Estabilidade, as contas portuguesas apresentam um "risco de desvio significativo" no esforço de ajustamento estrutural necessário em 2018 e 2019. Foi esta a avaliação final no âmbito do ciclo do semestre europeu de 2018.

Bruxelas toma nota do "compromisso das autoridades portuguesas em utilizar os ganhos extraordinários [na execução orçamental] para reduzir o rácio da dívida pública sendo, portanto, bem-vindo". "Como tal, as atuais condições conjunturais favoráveis, juntamente com a redução no pagamento de juros, seriam usadas para construir almofadas orçamentais."

No entanto, numa altura em que começam a surgir medidas avulso para o Orçamento de Estado de 2019 (OE2019) e em que se prolonga o diálogo, por vezes violento, entre classes profissionais do serviço público e o governo, a Comissão alerta que, pelas suas contas, a meta do défice pode facilmente deslizar por causa dos salários dos funcionários públicos.

Saúde e Educação sob fogo

"Os modelos concretos do descongelamento de algumas carreiras específicas (em particular, os professores) ainda estão em negociação e podem exercer alguma pressão ascendente significativa sobre o custo global da medida do descongelamento", alerta o novo estudo.

Acresce que "o número de trabalhadores e a folha salarial parece continuar sob pressão permanente no sentido de aumentar acima das metas orçamentais", diz num diagnóstico sobre a evolução mais recente desses indicadores (2017 e início de 2018).

Para a CE, a tendência de aumento no número de funcionários parece estar a ser confirmada pelas estatísticas do primeiro trimestre e alerta para crescimentos "elevados nas áreas da Saúde e da Educação" quando comparado com as metas de estabilização inscritas no PE.

Além disso, a Comissão considera que as medidas de combate à precariedade no sector público podem converter 20 mil pessoas em trabalhadores permanentes (antes temporários) e que a extensão do regime das 35 horas de trabalho semanais ao sector da Saúde ("cerca de 40% da força de trabalho pública") deve "colocar uma pressão adicional no número de empregados e na folha salarial" por causa da necessidade de recorrer "a horas extraordinárias".

Cenário de políticas inalteradas

Estas contas da CE são feitas numa base de políticas invariantes, ou seja, assumem que o governo não aprova novas medidas, mantendo em 2019 o esqueleto do orçamento do corrente ano. Não é o que costuma acontecer.

Em todo o caso, a Comissão estima que, caso nada fosse feito, o défice público global chega a 0,6% do PIB em 2019 (ainda assim menos que os 0,9% que Bruxelas estima para 2018) e que "cerca de metade" da diferença face ao número defendido pelo Ministério das Finanças no Programa de Estabilidade de abril (défice final de 0,2% no ano que vem), "esteja relacionada com as pressões mais elevadas nas remunerações dos trabalhadores [públicos]".

Para além destes 0,2 pontos percentuais, Bruxelas refere que um deslize equivalente a 0,1% do PIB virá de "outros itens de despesa" uma vez na visita que fez a Lisboa na primeira quinzena de junho constatou que "existem medidas do lado da despesa que não puderam ser totalmente contabilizadas".

Resta mais uma parcela de 0,1% do PIB que tem a ver com "menor receita de impostos indiretos resultante de um cenário macro que nas projeções da primavera é ligeiramente mais conservador". Acresce ainda que há algumas medidas fiscais que, na opinião da CE, estão "insuficientemente especificadas".

(Atualizado às 18h30)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).