BCE alerta: próxima crise estará relacionada com o imobiliário

Danièle Nouy, do BCE, alertou que a próxima crise vai estar associada ao mercado imobiliário, embora reconheça que a banca está melhor preparada.

Não se sabe quando, nem onde. Mas a verdade é que, mais tarde ou mais cedo, haverá uma nova crise financeira. E a líder do Conselho de Supervisão do Banco Central Europeu (BCE) não tem muitas dúvidas: a próxima crise estará associada ao mercado imobiliário.

"Muitas das crises anteriores estiveram relacionadas com o mercado imobiliário, ainda que não de maneira direta", disse Danièle Nouy em entrevista à agência de notícias da Letónia, citada pelo jornal Expansión.

Contudo, a responsável garantiu que, graças ao Mecanismo Único de Resolução os bancos do Velho Continente "estão melhor" preparados para enfrentar um choque económico. Além disso, sustentou, os mecanismos de gestão de crise disponíveis são agora "mais fortes" que no passado. Danièle Nouy alertou ainda que as taxas de juro variável representam algum "risco" uma vez que não há "garantias" relativamente a quando é que vão aumentar. "Vamos acompanhar de perto os desenvolvimentos no mercado imobiliário", assegurou.

Na Zona Euro não é a primeira vez que as autoridades monetárias alertam para os riscos nesta área. Em junho, o Banco de Portugal avisava que a subida dos preços das casas começava a colocar riscos para a estabilidade financeira. Isto depois de um aumento de mais de 30% dos preços desde meados de 2013. A entrada em força de investidores estrangeiros é um dos principais motivos para o boom imobiliário, explicava na altura o banco central.

A instituição liderada por Carlos Costa assinalava no Relatório de Estabilidade Financeira que "as indicações de sobrevalorização dos preços no mercado imobiliário residencial em termos agregados" são ainda "muito limitadas". Mas observava que "a duração e o ritmo de crescimento dos preços neste mercado pode implicar riscos para a estabilidade financeira, em caso de persistência destas dinâmicas".

Ainda esta semana, a agência de rating Standard & Poor"s indicava o mercado imobiliário português como um dos que mais irão valorizar este ano. A agência de rating estima que os preços das casas aumentem 9,5% este ano.

Nos dez países europeus analisados por esta entidade, apenas a Irlanda terá uma taxa de crescimento acentuada. E apesar de continuarem a valorizar, as subidas nos valores da habitação deverão ser mais moderadas até 2021. Nesse ano, a S&P estima que o preço das casas aumente 5%.

Em 2019 e 2020 as subidas deverão ser de 7% e 6%, respetivamente. "Estimamos que as pressões no preço desçam gradualmente devido a crescimento mais lento e à subida dos custos de financiamento", diz a agência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.