Autoeuropa para produção. Falta peça que vem de fora

Negociações entre administração e comissão de trabalhadores só regressam em 2018. Amanhã é dia de plenários em Palmela

Falta uma peça de escape vinda de um fornecedor estrangeiro. Esta é a razão para a Autoeuropa vir a estar parada quatro dias, entre 26 e 29 de dezembro, apurou o DN/Dinheiro Vivo junto de fontes do setor. Esta será a segunda vez, em menos de 15 dias, que a fábrica de Palmela vai determinar dias de não produção por falta de peças. A informação foi revelada ontem durante a primeira reunião entre a comissão de trabalhadores e a administração após a imposição de horário a partir de 29 de janeiro.

"A paragem na Autoeuropa tem que ver com um fornecedor estrangeiro. Já não é a primeira vez que isto acontece desde que começou a montagem do T-Roc, em agosto", refere Daniel Bernardino, coordenador da comissão de trabalhadores do parque industrial da Autoeuropa. Na passada sexta-feira, a fábrica de Palmela também esteve parada por falta de material.

Com a paragem na última semana do ano, a Autoeuropa pretende dar mais tempo a este fornecedor para cumprir com o prazo de entrega das peças e evitar que a fábrica de Palmela tenha de declarar mais dias de não produção (down days) e que implicam o pagamento do dia de salário completo aos mais de 5700 operários.

A Autoeuropa informou que "retomará o normal ritmo de produção no turno da manhã do dia 2 de janeiro de 2018". Nessa altura, serão também retomadas as negociações entre a administração e a comissão de trabalhadores, que voltaram a estar ontem reunidas.

O encontro de ontem serviu para iniciar a discussão do caderno reivindicativo para 2018 e prolongar o diálogo iniciado na sexta-feira com o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, e os secretários de Estado do Emprego e da Indústria, Miguel Cabrita e Ana Teresa Lehmann, respetivamente.

Oficialmente, a Autoeuropa não comenta as informações do encontro de hoje. Até ao fecho da edição não foi possível obter qualquer comentário da comissão de trabalhadores.

Amanhã é dia de plenários em Palmela: além do caderno reivindicativo, os trabalhadores vão debater a imposição de horários e que implica o funcionamento da fábrica com 17 turnos semanais, de segunda a sábado, a partir de 29 de janeiro. Em cada dois meses garantem-se quatro fins de semana completos e mais um período de dois dias consecutivos de folga. O domingo é o único dia de descanso fixo.

Na sexta-feira, o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, comprometeu-se com a "criação e reforço de equipamentos sociais de apoio à família", de forma a responderem "a um novo quadro horário de funcionamento da empresa, com mais creches com horário diferenciado, por exemplo".

As creches com horário diferenciado permitem que os pais beneficiem de um regime mais flexível - desfasado do normal período de trabalho - para deixar as crianças. Isto poderá implicar, se for necessário, alterações no financiamento do Estado às Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) próximas da fábrica de Palmela.

A Autoeuropa representa cerca de 1% do PIB e dá emprego, direta e indiretamente, a 8700 trabalhadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.