Autoeuropa para produção. Falta peça que vem de fora

Negociações entre administração e comissão de trabalhadores só regressam em 2018. Amanhã é dia de plenários em Palmela

Falta uma peça de escape vinda de um fornecedor estrangeiro. Esta é a razão para a Autoeuropa vir a estar parada quatro dias, entre 26 e 29 de dezembro, apurou o DN/Dinheiro Vivo junto de fontes do setor. Esta será a segunda vez, em menos de 15 dias, que a fábrica de Palmela vai determinar dias de não produção por falta de peças. A informação foi revelada ontem durante a primeira reunião entre a comissão de trabalhadores e a administração após a imposição de horário a partir de 29 de janeiro.

"A paragem na Autoeuropa tem que ver com um fornecedor estrangeiro. Já não é a primeira vez que isto acontece desde que começou a montagem do T-Roc, em agosto", refere Daniel Bernardino, coordenador da comissão de trabalhadores do parque industrial da Autoeuropa. Na passada sexta-feira, a fábrica de Palmela também esteve parada por falta de material.

Com a paragem na última semana do ano, a Autoeuropa pretende dar mais tempo a este fornecedor para cumprir com o prazo de entrega das peças e evitar que a fábrica de Palmela tenha de declarar mais dias de não produção (down days) e que implicam o pagamento do dia de salário completo aos mais de 5700 operários.

A Autoeuropa informou que "retomará o normal ritmo de produção no turno da manhã do dia 2 de janeiro de 2018". Nessa altura, serão também retomadas as negociações entre a administração e a comissão de trabalhadores, que voltaram a estar ontem reunidas.

O encontro de ontem serviu para iniciar a discussão do caderno reivindicativo para 2018 e prolongar o diálogo iniciado na sexta-feira com o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, e os secretários de Estado do Emprego e da Indústria, Miguel Cabrita e Ana Teresa Lehmann, respetivamente.

Oficialmente, a Autoeuropa não comenta as informações do encontro de hoje. Até ao fecho da edição não foi possível obter qualquer comentário da comissão de trabalhadores.

Amanhã é dia de plenários em Palmela: além do caderno reivindicativo, os trabalhadores vão debater a imposição de horários e que implica o funcionamento da fábrica com 17 turnos semanais, de segunda a sábado, a partir de 29 de janeiro. Em cada dois meses garantem-se quatro fins de semana completos e mais um período de dois dias consecutivos de folga. O domingo é o único dia de descanso fixo.

Na sexta-feira, o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, comprometeu-se com a "criação e reforço de equipamentos sociais de apoio à família", de forma a responderem "a um novo quadro horário de funcionamento da empresa, com mais creches com horário diferenciado, por exemplo".

As creches com horário diferenciado permitem que os pais beneficiem de um regime mais flexível - desfasado do normal período de trabalho - para deixar as crianças. Isto poderá implicar, se for necessário, alterações no financiamento do Estado às Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) próximas da fábrica de Palmela.

A Autoeuropa representa cerca de 1% do PIB e dá emprego, direta e indiretamente, a 8700 trabalhadores.

Ler mais

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.