Autoeuropa paga domingos só com uma folga extra por mês

Os operários da Autoeuropa vão ter apenas mais uma folga por mês por trabalharem aos domingos

Este é o único pagamento adicional que os 5700 funcionários vão receber depois das férias de agosto, ao abrigo do novo esquema de horário da fábrica de Palmela. Comissão de trabalhadores e sindicatos estão insatisfeitos com esta imposição e há mesmo um apelo à greve para dia 9 de junho. A unidade do grupo Volkswagen em Portugal, ainda assim, admite mais investimento na fábrica.

A folga extrassemanal será atribuída a cada quatro semanas, segundo nota interna enviada aos trabalhadores a que o DN/Dinheiro Vivo teve acesso. No novo modelo laboral, os operários vão ganhar ao domingo o mesmo que nos dias úteis e vão receber 100% de um dia normal de trabalho por mês por cada dois turnos trabalhados ao fim de semana; serão ainda pagos 25% trimestralmente "de acordo com o cumprimento do volume de produção.

A Autoeuropa vai funcionar com 19 turnos de laboração depois das férias de agosto: três turnos diários de segunda a sexta e dois turnos diários ao sábado e domingo. Já está acordado com a administração liderada por Miguel Sanches que os operários terão uma semana de trabalho de cinco dias, com duas folgas consecutivas. Estes dias de descanso serão gozados ao sábado e domingo de duas em duas semanas.

Sindicato afeto à CGTP apela à greve de 9 de junho, numa altura em que administração admite mais investimento para evitar "restrições técnicas" na produção do SUV T-Roc

Até às férias de agosto, os operários terão dois tipos de turnos, em semanas de cinco dias de trabalho: o turno da noite funciona de segunda a sexta-feira, com as folgas fixas ao sábado e domingo; o turno da manhã e da tarde, de segunda-feira a sábado, mas com uma folga fixa ao domingo e uma folga rotativa. Em cada dois meses garantem-se quatro fins de semana completos e mais um período de dois dias consecutivos de folga. Este horário funciona desde 29 de janeiro e também foi imposto pela chefia.

O SITE-Sul chumba esta posição e apela à adesão à greve para 9 de junho, dia da manifestação da CGTP em Lisboa. "O valor da compensação financeira pela prática do novo horário fica muito aquém das expectativas dos trabalhadores e do que a empresa e o Grupo VW podem pagar", refere o sindicato afeto à CGTP em comunicado.

A comissão de trabalhadores, liderada por Fausto Dionísio, acompanha esta posição, "pois os valores e condições apresentadas continuam insuficientes tendo em conta as expectativas dos trabalhadores". Dia 5 de junho, serão discutidas em plenário várias formas de luta, segundo comunicado emitido no dia 18 de maio.

A administração admite que "após o diálogo com a comissão de trabalhadores, ficou claro que a sua expectativa estava bastante acima dos compromissos orçamentais que a empresa assumiu com a casa-mãe". A empresa, ainda assim, alega que reviu e melhorou a sua proposta inicial, de modo a garantir que o rendimento mensal de cada colaborador no AE19 se mantenha equivalente ao atual, com menos tempo de trabalho." E garante que "para facilitar o apoio familiar a equipa de relações laborais está disponível para receber as questões colocadas pelos casais". A imposição da administração surge quase dois meses depois de os trabalhadores da Autoeuropa terem aprovado os aumentos salariais na fábrica, com efeitos retroativos a outubro de 2017. Além do aumento do vencimento de 3,2%, serão integrados 250 precários até ao final do ano.

Novos investimentos

O grupo Volkswagen, apesar destes problemas, poderá reforçar a aposta na fábrica portuguesa do gigante alemão. O SUV T-Roc é o responsável por uma eventual nova injeção de capital na Autoeuropa.

"De modo a que as atuais restrições técnicas não sejam um obstáculo ao crescimento da fábrica, estamos já a analisar novos investimentos", refere a fábrica na nota enviada aos operários. Fonte oficial da Autoeuropa não comenta estas declarações e recorda os investimentos efetuados no último ano e meio nas áreas da carroçaria e da pintura, que irão permitir novo aumento de produção (ver caixa).

O SITE-Sul, ainda assim, entende que a administração "deve continuar a trabalhar junto das entidades competentes para que sejam feitos investimentos na fábrica de Palmela, de maneira a aumentar a capacidade produtiva e cumprir ou superar os volumes de produção previstos, criar mais emprego e voltar a praticar horários menos penosos".

A fábrica de Palmela representa cerca de 1% do PIB nacional e dá emprego, direta e indiretamente, a 8700 pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.