Arrendamento: reações de inquilinos e proprietários

Dirigentes das associações de inquilinos e de proprietários reagem, em declarações ao DN, ao pacote legislativo do governo sobre a Nova Geração de Políticas de Habitação.

Os sete diplomas da Nova Geração de Políticas de Habitação, aprovados nesta quinta-feira, visam a melhoria da qualidade de vida das populações, a revitalização das cidades e a promoção da coesão social e territorial. O governo fixou como metas o aumento do parque habitacional de apoio público de 2% para 5% e reduzir a percentagem de famílias com sobrecarga nas despesas com habitação, no regime de arrendamento, de 35% para 27%.

Romão Lavadinho
Presidente da Associação de Inquilinos Lisboneses

Só depois de ver a lei é que poderemos fazer uma análise clara das suas medidas, mas no geral consideramos que as propostas feitas pelo Governo são positivas. No entanto, pensamos que algumas daquelas medidas dificilmente serão aplicáveis na prática e por isso merecem a nossa preocupação, pelo que não damos o aval completo a este pacote legislativo.

Estamos a falar, por exemplo, da isenção completa de IRS para os proprietários e da redução da taxa liberatória de 28% para 14%. Duvidamos também da exequibilidade da medida Chave na Mão, que oferece a possibilidade de transferir para o IHRU o problema do arrendamento de uma habitação de uma família que saia de uma cidade para o interior do país. Sabemos que existem muitas leis aprovadas no Parlamento que depois não são aplicadas. Por exemplo, a Assembleia da República decretou que não é necessário ter um seguro de vida para pedir empréstimos bancários, mas na prática isso não acontece, o que faz deste um exemplo claro de uma lei inócua.

Por isso mantemos que só depois de vermos o diploma publicado é que poderemos ter uma análise completa das novas medidas.

António Frias Marques
Presidente da Associação Nacional de Proprietários

É de todos os tempos a existência de certas zonas da cidade em que, por estarem na moda ou qualquer outro motivo, as rendas são mais elevadas.

A maioria dos cerca de 750 mil contratos de arrendamento existentes oferecem estabilidade aos inquilinos. O problema das novas e elevadas rendas pode e deve ser resolvido com o aumento da oferta de habitação pública.
A estabilidade e a certeza de que, com renda acessível, virão a morrer na casa, já está garantida desde 2012 aos moradores com idade igual ou superior a 65 anos ou com deficiência com grau de incapacidade igual ou superior a 60 %. Os contratos só têm de ser anteriores a 1990! Está igualmente garantido um período transitório, atualmente de 8 anos, seguidos de mais 5 anos, para quem habite na casa anteriormente a 1990 e disponha de baixos rendimentos.

O que faz falta é a concretização de um subsídio que cubra a diferença entre a renda justa de 6,7 % do valor fiscal do imóvel (cerca de 75 % do de mercado, fazendo a renda justa descer para 4 % do valor da casa), e a quantia que o inquilino pode pagar.

Faz igualmente falta um seguro que garanta o pagamento da renda, no caso de o inquilino sofrer incapacidade temporária para o trabalho, por doença, acidente ou desemprego involuntário.

Quanto à miríade de programas agora apresentados, a serem concretizados e dada a sua grande ambição, vão de certeza colocar Portugal na frente mundial da boa e barata habitação para todos.

Depoimentos recolhidos por Ana Sanlez

Diana Ralha
Associação Lisbonense de Proprietários

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.