Agência Europeia alerta: Airbus 321neo em condição "potencialmente insegura"

TAP, SATA e Easyjet são companhias que têm aparelhos deste modelo. Diretriz da Agência Europeia para a Segurança da Aviação visa recomendar às empresas que informem os seus tripulantes sobre a revisão temporária dos manuais de voo feita pela Airbus.

A Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA) reconhece que os Airbus 321neo têm um problema que, "se não for corrigido, pode resultar numa situação de controlo reduzido da aeronave". A própria Airbus já fez revisões aos seus manuais de voo de modo a fornecer "limitações operacionais" para "resolver esta condição potencialmente insegura", refere a agência na sua diretriz 2019-0171. O documento, datado de 17 de julho, pode ser lido aqui na íntegra.

Em causa está a análise realizada ao comportamento do ELAC L102 - os ELAC (elevator aileron computer) são computadores de bordo que asseguram os comandos do leme de profundidade e do aileron - instalado no A321neo e que revelou que "podem ocorrer situações de pitch excessivo", mas apenas em "certas condições" e durante "manobras específicas". O pitch tem a ver com o ângulo de atitude do avião, ou seja, com o controlo de elevação.

A Airbus introduziu já uma revisão temporária nos manuais de voo, com o objetivo de evitar as ditas situações, incorporando limitações operacionais e o que a Agência Europeia vem fazer é alertar as companhias aéreas - operam, em todo o mundo, mais de 500 aviões A321neo - para que alterem os manuais e informem as suas tripulações de voo, no espaço de 30 dias, para estas recomendações.

A TAP, a SATA e a Easyjet são algumas das companhias que operam com estas aeronaves. Fonte do sector contactada pelo Dinheiro Vivo garante que a diretriz da EASA é, apenas, uma questão de "salvaguarda de procedimentos" que devem ser aplicados, ao nível da standardização de ângulos e velocidades, e que não há qualquer razão de alarme. "É uma das dezenas de diretivas emanadas pela Agência Europeia", salvaguarda.

Ilídia Pinto é jornalista do Dinheiro Vivo

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.