A fortuna do homem mais rico da Europa já aumentou em 19 mil milhões este ano

Atualmente o património líquido do diretor executivo da LVMH é de 87 mil milhões de dólares, depois de já ter crescido em 19 mil milhões só este ano.

Bernard Arnault é o homem mais rico da Europa e deve a sua fortuna ao seu trabalho na sua marca de luxo LVMH, Moët Hennessy Louis Vuitton. As ações da marca de luxo registaram uma subida histórica e com isso, a fortuna do empresário francês cresceu em 19 mil milhões de dólares, ainda em 2019.

Depois de artigos de luxo da LVMH, como malas e artigos em pele, terem registado mais vendas do que a marca estava à espera, as ações da empresa subiram a pique. Primeiro, subiram 4,61% para os 344,95 euros, mas chegaram aos 5,16%, 346,75 euros - o que registou o valor mais alto das ações da empresa desde a sua entrada para a bolsa em outubro de 1989.

A razão para este aumento parece ser a nova estratégia adotada pela Louis Vuitton de investir em novos talentos do design, dando à marca uma lufada de ar fresco. Nomes como Virgil Abloh, designer de moda americano, o novo diretor artístico de vestuário masculino da LVMH, são apontados como os principais responsáveis pela empresa Bloomberg.

A indústria de artigos de luxo regista o terceiro ano de crescimento graças à China, que suportou a venda deste tipo de produtos mesmo numa altura de crise económica, que afetou outros setores, como automóveis e tecnologia.

Na Europa, a ascensão de Bernard Arnault já ultrapassou Amâncio Ortega, o fundador da Inditex, e Françoise Bettencourt Meyers, da L'Oreal, que continua a ser a mulher mais rica do mundo. Mais recentemente o empresário francês voltou a ultrapassar Warren Buffet, diretor executivo da Berkshire Hathaway Inc.

Nomes como Bill Gates, Jeff Bezos (Amazon) e Warren Buffert são os rivais diretos do empresário francês no Bloomberg Billionaires Index, cujo património líquido supera os 87 mil milhões de dólares.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.