Inflação põe rendas a subir quase 5% em 2023

Numa altura em que o custo de vida disparou, os inquilinos deparam-se com um incremento significativo nas rendas.

As rendas das casas e do comércio poderão subir quase 5% em 2023, depois do aumento de 0,43% verificado no ano passado. A variação média do índice de preços do consumidor, excluindo a habitação, foi de 4,79% nos últimos 12 meses terminados em julho, perspetivando-se assim um incremento no valor dos arredamentos da mesma ordem.

A atualização das rendas é determinada pela taxa de variação média do índice de preços dos últimos 12 meses terminados em agosto, mas os dados divulgados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística dão já uma indicação do possível aumento que os arrendatários irão sofrer já no próximo ano.

É ainda necessário esperar pelos dados de agosto para conhecer com exatidão qual será o aumento nas rendas habitacionais, comerciais e industriais. Mas a escalada que se regista na taxa de inflação já permite perspetivar que sofrerão um aumento significativo.

O valor oficial desse aumento só será divulgado em setembro. Após se conhecer os dados oficiais do coeficiente de atualização de rendas é ainda necessário a sua publicação em Diário da República até 30 de outubro.

A partir dessa data, os senhorios podem comunicar aos inquilinos o valor do aumento das rendas no próximo ano.

Sónia Santos Pereira é jornalista do Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG