INE confirma estagnação da economia no 3.º trimestre

O Produto Interno Bruto (PIB) registou uma taxa de variação nula e todas as suas componentes estão a abrandar

O Instituto Nacional de Estatística (INE) confirmou esta segunda-feira que o Produto Interno Bruto (PIB) estagnou no terceiro trimestre face ao trimestre anterior, ou seja, registou uma taxa de variação nula. Em relação ao mesmo período do ano passado registou um aumento de 1,4%.

O INE divulgou hoje a segunda estimativa das Contas Nacionais referentes ao terceiro trimestre, confirmando os números que tinha avançado na estimativa rápida conhecida a 13 de novembro: a economia portuguesa apresentou uma variação nula no terceiro trimestre face ao trimestre anterior e um crescimento de 1,4% em termos homólogos.

Assim, a economia abrandou no terceiro trimestre face ao segundo, quer em termos homólogos, uma vez que o PIB tinha aumentado 1,6% no segundo trimestre face ao mesmo período de 2014, quer em cadeia, já que a economia tinha aumentado 0,5% no segundo trimestre face ao trimestre anterior.

Em termos homólogos, o INE explica que "o contributo da procura interna para a variação homóloga do PIB diminuiu no terceiro trimestre (passando de 3,5 pontos percentuais no segundo trimestre para 1,9 pontos percentuais), refletindo a desaceleração do investimento e, em menor grau, das despesas de consumo final".

Ora, a taxa de variação homóloga do investimento caiu de 8,5% no segundo trimestre para 1,7% no terceiro, enquanto a taxa de variação homóloga do consumo privado diminuiu de 3,2% para 2,3% e a do consumo público de 0,6% para 0,4%.

Já a procura externa líquida registou um contributo negativo (-0,5 pontos percentuais), "embora de magnitude inferior ao observado no segundo trimestre (-2,0 pontos percentuais)", ainda que se tenham verificado "um ganho de termos de troca superior ao do trimestre anterior, com o deflator das importações a registar uma redução significativa, sobretudo em resultado da diminuição dos preços dos bens energéticos".

Comparativamente com o segundo trimestre, a estagnação do PIB deveu-se sobretudo ao contributo negativo da procura interna, devido principalmente à redução do investimento, enquanto a procura externa líquida contribuiu positivamente, tendo as importações de bens e serviços diminuído de forma mais intensa que as exportações de bens e serviços.

As exportações de bens e serviços desaceleraram no terceiro trimestre, tendo aumentado 3,9% em volume, depois de terem crescido 7,3% no trimestre anterior.

O INE explica este abrandamento com a desaceleração de ambas as componentes: "As exportações de bens aumentaram 5,2% (8,2% no trimestre anterior) e as exportações de serviços apresentaram uma variação homóloga de 0,2% (5% no segundo trimestre) ", lê-se no destaque hoje publicado.

Também as importações de bens e serviços desaceleraram no terceiro trimestre deste ano, "aumentando 4,9% em termos homólogos, após um crescimento de 12% no trimestre anterior", um comportamento que se deveu à "acentuada desaceleração da componente de bens, que registou uma variação homóloga de 5,7% (13,4% no segundo trimestre) ".

As importações de serviços registaram também uma redução, passando de uma variação homóloga de 3,9% no segundo trimestre para -0,1% no terceiro trimestre.

O INE destaca ainda que o emprego para o conjunto dos ramos de atividade da economia aumentou 0,3% no terceiro trimestre, corrigido de sazonalidade, após o aumento de 1,9% no trimestre anterior. Já o emprego remunerado (igualmente corrigido de sazonalidade) apresentou uma variação homóloga de 1,3% no terceiro trimestre (2,2% no segundo).

Exclusivos

Premium

Flamengo-Grémio

Jesus transporta sonho da Champions para a Libertadores

O treinador português sempre disse que tinha o sonho de um dia conquistar a Liga dos Campeões. Tem agora a oportunidade de fazer história levando o Flamengo à final da Taça Libertadores para se poder coroar campeão da América do Sul. O Rio de Janeiro está em ebulição e uma vitória sobre o Grémio irá colocar o Mister no patamar de herói.