Hospital CUF Santarém vai ganhar 1000 metros quadrados até 2019

Área do hospital vai aumentar 25% até 2019

A José de Mello Saúde vai expandir o Hospital CUF Santarém, que celebra este mês o segundo aniversário de funcionamento. O hospital vai ganhar 1000 metros quadrados até 2019, uma expansão física de 25% que aumentará a capacidade de atendimento ao público.

Esta unidade de saúde serve oito concelhos de Santarém, uma população estimada em 190 mil habitantes, segundo o comunicado da JMS.

No segundo aniversário de existência, contam-se já mais de 130 mil consultas realizadas, 52 mil clientes atendidos e 4600 doentes operados.

"Foram dois anos desafiantes em que o empenho, resiliência e união dos colaboradores, que estão de parabéns por mais um aniversário, têm sido fundamentais para superar diariamente as expectativas dos mais de 52.000 clientes que nos procuraram durante este período", disse em comunicado Ana Filipa Soeiro, Diretora da CUF Santarém.

O Hospital CUF Santarém disponibiliza consultas de cerca de 30 especialidades e tem neste momento 26 camas de internamento médico-cirúrgico, três salas de bloco operatório, uma unidade de atendimento permanente e uma unidade de Cuidados Intermédios, inaugurada este ano, e que serve pacientes com situações clínicas complexas.

Recentemente, o mesmo grupo investiu 35 milhões de euros em dois novos hospitais em Coimbra e Leiria, que deverão abrir portas até 2019.

A rede CUF é constituída por várias unidades de saúde, incluindo sete hospitais, um instituto e clínicas.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.