Histórico. Já estamos a exportar mais eletricidade do que importamos

Vendemos 260 milhões de euros de eletricidade a Espanha e comprámos pouco mais de 88 milhões em 2016. Interligação a Marrocos já está a ser estudada para potenciar vendas

É um marco histórico para Portugal: pela primeira vez, em 2016, as exportações de eletricidade ultrapassaram as importações, gerando um excedente comercial de 170 milhões de euros, contra uma balança negativa de 125 milhões em 2015. E, neste ano, os números parecem querer repetir o êxito. Quebra da produção em Espanha e preços competitivos explicam porquê. E o governo está já a estudar uma interligação a Marrocos para vender ainda mais.

No ano passado, Espanha comprou-nos 5084 gigawatts-hora (GWh), quando, em 2015, tínhamos sido nós a comprar 2267 GWh ao país vizinho. A subida da exportação de eletricidade (+209%) e a queda das importações (-56,6%) foi possível graças ao aumento da produção das barragens e das centrais termoelétricas (+24%), mas também da energia eólica (+7%) - é a terceira maior fonte de energia do país - e fotovoltaica (+2,8%), num ano em que o consumo interno de eletricidade se manteve praticamente inalterado (+0,6%). Este excedente não pode ser armazenado, pelo que é vendido ao país vizinho sempre que há carência. E foi o caso de 2016: Espanha produziu apenas 97% da eletricidade de que necessitava, menos 2,4% do que no ano anterior, pelo que foi obrigada a importar mais do que exportou, pela primeira vez em 12 anos, quer de Portugal quer da França.

Com exceção dos intercâmbios de energia programados, a competitividade do preço da eletricidade fez também toda a diferença. Segundo a Redes Elétricas de Espanha, os preços médios do mercado diário na área espanhola (39,67euro/MWh) foram ligeiramente superiores aos da área portuguesa (39,44/MWh).

Isto significa que, quando for aumentada a interligação com França, temos potencial para vender também ao resto da Europa a preços convidativos. "É estratégico o reforço das interligações entre Portugal e a Europa. Isto tem vindo a ser discutido há muito na UE e temos como objetivo passar dos atuais 2% de capacidade para 10%, a curto prazo", adiantou Jorge Seguro Sanches, secretário de Estado da Energia, ao DN/Dinheiro Vivo. "O problema têm sido as objeções ambientais levantadas em França há mais de 20 anos, mas acreditamos que terão de ser ultrapassadas, mais dia, menos dia."

A livre circulação da energia elétrica pela Europa teria ainda outra vantagem: "Os distribuidores poderiam adquiri-la no país onde fosse mais económica, o que poderia contribuir para baixar a fatura dos consumidores e das indústrias, que reclamam termos dos mais elevados custos de produção graças à conta da luz", garantem fontes do mercado ouvidas pelo DN/Dinheiro Vivo. O saldo excedentário das exportações em 2016 "permitiu já atenuar valores das rendas e impedir que esse custo fosse transmitido ao consumidor".

Há uma outra alternativa para escoar a eletricidade excedentária produzida em Portugal. "Estamos a concluir o estudo de viabilidade técnica da interligação com Marrocos, que é uma oportunidade porque o país importa 85% da energia", adiantou o secretário de Estado. O projeto está ainda na fase de estudo, mas já se sabe que poderá orçar em cerca de 400 milhões de euros. A intenção do governo é que seja pago "pela energia que passará pelo cabo, da mesma forma que acontece nos países do Norte da Europa e no Reino Unido", sem que haja custos para o consumidor português. No ano passado, só a Espanha vendeu quase 5000 GWh a Marrocos - sensivelmente a mesma quantidade de energia elétrica que adquiriu a Portugal.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.