Hackers divulgam dados de 115 mil clientes da TAP

Informações como moradas, contactos telefónicos e datas de nascimento foram divulgadas por um grupo de piratas informáticos que ameaça divulgar até 1,5 milhões de dados pessoais.

O grupo de hackers Ragnar Locker publicou, na noite desta segunda-feira, 12, dados relativos a 115 mil clientes da TAP. Os piratas informáticos divulgaram informações como nomes, nacionalidades, moradas, contactos telefónicos e datas de nascimento de passageiros que constam da base de dados da transportadora aérea, avança o Expresso.

"Embora tenha sido possível conter a intrusão numa fase inicial, os atacantes conseguiram obter informações limitadas, em particular determinados dados pessoais de alguns dos nossos clientes", confirma a transportadora ao semanário.

Já o Público adianta que dos 115 mil clientes afetados, 19 integram organizações governamentais nacionais, sendo que a maioria respeita aos governos regionais dos Açores e da Madeira.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

PJ diz estar a acompanhar "desde o primeiro momento" ciberataque à TAP

A Polícia Judiciária (PJ) "está a acompanhar desde o primeiro momento" o ataque informático à TAP ocorrido em agosto e que nas últimas horas levou à publicação 'online' de ficheiros com dados pessoais de clientes da companhia aérea.

"Estamos em articulação com a TAP e o Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS), em especial com a vítima. No entanto, uma vez que há crime (desta natureza), é da competência da PJ e somos nós que avaliamos as necessidades de recolha de informação", afirmou à Lusa fonte do órgão de policial criminal.

Questionada pela Lusa, a TAP salientou que foi mobilizada desde o início "uma equipa de especialistas externos de TI e peritos forenses para investigar o sucedido e prevenir danos adicionais", sem deixar de reconhecer que "os atacantes conseguiram obter informações limitadas, em particular determinados dados pessoais".

A companhia assegura que "neste momento, não há qualquer indício de que informações sensíveis, em particular, dados de pagamento, tenham sido exfiltrados". "É algo que vamos apurar agora e que estamos a apurar", acrescentou a fonte da PJ sobre um hipotético acesso a dados de pagamento de clientes da TAP.

"Este ciberataque visou prejudicar a TAP Air Portugal, bem como os seus clientes. A TAP Air Portugal continua a tomar todas as medidas necessárias para proteger os nossos clientes de quaisquer danos. Lamentamos profundamente que alguns dos nossos clientes tenham sido afetados por esta situação. Infelizmente, continuamos a assistir a vários ciberataques em Portugal, pelo que temos de ser especialmente cautelosos", concluiu a CEO da TAP, Christine Ourmières-Widener, na nota divulgada pela companhia aérea.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG