Grandes bancos emagrecem. Estrangeiros contratam barato

Só os cinco maiores bancos em Portugal eliminaram mais de 4200 postos de trabalho desde 2016. O trabalho precário está a aumentar e estão a nascer centros de competências

Os maiores bancos portugueses estão a emagrecer todos os anos os seus quadros de trabalhadores e a encolher a rede de agências para rentabilizar o negócio, abalado pela crise financeira e pela crescente digitalização dos serviços bancários. Só neste ano, a Caixa Geral de Depósitos e o Novo Banco já anunciaram novos programas de rescisões de quase mil trabalhadores; desde 2016 são mais de 4200 os que ficaram sem emprego só nos cinco maiores bancos. Um cenário negro que apenas está a ser suavizado pelo facto de muitos bancos estrangeiros estarem a instalar em Portugal centros de serviços, aproveitando a elevada percentagem de licenciados - e a mão-de-obra barata.

A política de fecho de agências bancárias por todo o país prossegue. Até porque os problemas da banca não estão todos resolvidos. "As condições operacionais/financeiras dos bancos melhoraram no período pós-crise, com a generalidade dos bancos a concretizar planos significativos de redução de custos e/ou redimensionamento das estruturas", refere uma análise do banco BiG à banca portuguesa. A redução de custos, a par de "alguma limpeza do balanço e melhoria das condições macroeconómicas", ajudou a mitigar os principais problemas da banca doméstica que "acabam por persistir, em menor escala". Mas é preciso emagrecer mais, pois os desafios da digitalização e dos novos players da internet estão aí.

Ao todo, Caixa Geral de Depósitos, Novo Banco, BCP, Santander Totta e BPI tinham ao seu serviço, no ano passado, pouco mais de 31 600 trabalhadores; em 2016, esse número quase chegava aos 34 mil. Mas o banco público, o maior empregador, com 8321 funcionários, já avisou que, entre rescisões amigáveis e reformas, pretende cortar mais 570 postos de trabalho neste ano; a instituição que nasceu das cinzas do BES revelou, na semana passada, que vai eliminar mais 400 empregos ao longo deste ano. E até o Santander Totta, sem avançar números, deixou no ar a possibilidade de reduzir mais os quadros, em resultado da integração do Banco Popular Portugal.

No caso da CGD e do Novo Banco, existem obrigações impostas por Bruxelas. O banco público, que recebeu uma injeção de capital estatal de 5000 milhões de euros, tem um plano de reestruturação, acordado entre o governo e a Comissão Europeia em 2016, que prevê a redução de pelo menos 2200 trabalhadores até 2020. A Caixa terá de ficar com 6650 funcionários. No espaço de dois anos perde 1100 trabalhadores. O número de agências tem de encolher para um máximo de 490; no final de 2017 tinha 587 balcões. "A Caixa, fechando sucessivamente balcões, na prática está a ser nacionalizada", afirma Paulo Marcos, presidente do Sindicato Nacional dos Quadros Técnicos Bancários (SNQTB).

No âmbito da venda ao fundo de investimento norte-americano Lone Star e de uma possível injeção de até 3,89 mil milhões de euros por parte do Fundo de Resolução, o Novo Banco, que fechou 2017 com um total de 5297 trabalhadores, anunciou já a saída de mais 400 trabalhadores neste ano e o fecho de 73 balcões. Desde a sua criação, após a resolução do BES, em agosto de 2014, o Novo Banco já dispensou um terço dos seus trabalhadores.

Além da redução da rede de balcões e do número de trabalhadores, os bancos estão agora também a apostar na contratação de serviços de outsourcing. "Em 2017 agravou-se a tendência de os bancos substituírem trabalhadores qualificados, de meia-idade, por trabalho em outsourcing, frágil, desregulamentado, barato e não suscetível de criar relações para o futuro", denuncia Paulo Marcos.

O cenário da banca só não é mais negro porque muitas instituições estrangeiras estão a recrutar pessoal. BNP Paribas, Natixis, BAI, BAE e Bankinter são alguns exemplos. "Portugal é um país muito atrativo para os bancos estrangeiros instalarem centros de competência", afirma Paulo Marcos. O Natixis tem um centro de excelência de tecnologias da informação no Porto e vai contratar mais 300 trabalhadores até ao fim de 2019, além dos 300 que já recrutou. O BNP Paribas emprega já 5000 trabalhadores em Portugal. Razão? Boas qualificações e salários baixos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.